Voluntários ajudam a montar ‘circo’ das corridas automóveis em Vila Real


Cerca de 800 pessoas preparam competição que arranca a 1 de julho

Cerca de 800 pessoas, a maioria voluntários, ajudam a ‘montar’ o Circuito Internacional de Vila Real, desempenhando tarefas como fiscalização da pista, apoio médico, assessoria ou distribuição de alimentos.

“Acertem os relógios, isto vai arrancar”, é a frase que soará na comunicação de pista pelas 09 horas do dia 1 de julho e dará início à 51.ª edição do Circuito Internacional de Vila Real, que tem como prova rainha o Campeonato do Mundo de Carros de Turismo (WTCR), no qual compete o piloto português Tiago Monteiro.

“A partir daí é a adrenalina que tudo isto envolve”, afirmou à agência Lusa Ana Sofia Soares, 29 anos, bióloga e investigadora na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e também voluntária no Clube Automóvel de Vila Real (CAVR).

É assessora de imprensa no circuito, recebe jornalistas provenientes praticamente do “mundo inteiro” e a ligação às corridas surgiu de forma natural. “Eu cresci a ouvir falar das corridas, quando cheirava a tílias cheirava a corridas”, recordou, salientando que há em Vila Real uma “mística especial” à volta do circuito, que se estende pelas ruas da cidade.

Estes dias que antecedem o circuito, que decorre entre 01 e 03 de julho, são de muito trabalho e poucas horas de sono. Dias em que se concilia o trabalho profissional com o voluntariado.

A organização junta o CAVR, a Associação Promotora do Circuito Internacional de Vila Real (APCIVR) e o município, enquanto a ajudar a montar o ‘circo’ estão, segundo dados da APCIVR, cerca de 800 pessoas.

Eduardo Ferreira, diretor da prova, disse que “pelo menos 250” são voluntários ligados ao CAVR e à parte desportiva do evento.

Este responsável contou que, em criança, começou por ajudar a colocar fardos de palha no antigo circuito citadino e, hoje, com 52 anos, assume-se um apaixonado pelas corridas e pelo CAVR. “Sem o trabalho destes voluntários era impossível. O diretor de prova se falhar é uma tragédia, mas se o homem da buzina falhar é exatamente igual”, salientou Eduardo Ferreira, referindo-se ao elemento que obrigatoriamente ficará à entrada das boxes a tocar uma buzina quando um carro entra.

Já Francisco Pereira juntou-se à organização do evento na década de 80 do século passado. Este serralheiro reformado, com 63 anos, é comissário de pista e chefe de posto.

Terá a missão de sinalizar qualquer situação que ocorra dentro do circuito e as bandeiras que diz que não quer levantar são a amarela, que significa acidente, ou a vermelha, que para a corrida. “Eu nasci no circuito, sou do tempo das corridas antigas e o bichinho ficou sempre. Ali, durante as corridas, sinto-me bem, sinto-me em casa”, salientou, referindo que a adrenalina aumentou desde a realização do WTCR em Vila Real.

Joana Sousa, 30 anos, é psicóloga e participa pela primeira vez na organização do circuito, onde irá fazer a articulação com os pilotos. “Tento ajudar e estar o mais presente possível e em tudo o que é necessário”, salientou a voluntária, que chegou ao clube por influência do namorado, mas ganhou o gosto pelas corridas e a sua envolvência.

Jorge Almeida, presidente do CAVR, reforçou que o papel dos voluntários é “primordial” e explicou que desempenham as mais variadas tarefas: comissários de pista, de box e de grelha, oficiais de prova, equipas médicas e de ‘extração’, com formação específica para retirar vítimas em carros acidentados, e ainda os elementos das viaturas ‘rescue’. Mas há também muitos voluntários em trabalhos de logística e que, por exemplo, fazem a distribuição de alimentação e de água.

As equipas são reforçadas com elementos de outros clubes do país.

Na APCIVR são 20 voluntários. Filipe Fernandes faz parte da associação e disse que, depois, a toda a organização acrescem ainda 110 agentes da PSP, à volta de 150 bombeiros, 130 seguranças, 80 elementos que estão de serviço à pista, e que, por exemplo, instalam e retiram ‘rails’ e ainda funcionários do município.

Tem uma empresa e, a uma semana do arranque das corridas, o seu tempo é passado à volta das corridas. “É a semana de maior pressão, em que se instalam as últimas guardas de segurança do circuito, fecham-se as últimas ruas, montam-se as bancadas que ficam instaladas no meio da estrada, assim como os últimos contentores, os pneus e ‘chicanes’. Estamos a finalizar tudo”, salientou.

O presidente do CAVR, Jorge Almeida, frisou que é “a paixão” que os une ao circuito e perspetivou “muita gente” a assistir, porque “há sede de corridas” depois do interregno de dois anos provocado pela pandemia de covid-19.

Por Lusa

Menu