Vilaverdense – Montalegre, 2-2: golo nos descontos dá empate aos barrosões

Apesar de não vencer há 6 jogos, as aspirações dos barrosões para subir à Liga 3 continuam intactas.

Tarde de sol e relvado em ótimas condições proporcionaram uma excelente primeira parte. O Montalegre dominou durante o primeiro terço do jogo. Aos 6´,Rúben Neves atira ligeiramente ao lado e depois Samate dispara muito forte mas por cima do alvo. Numa jogada rápida, Zack inaugura o marcador à passagem do minuto 28.

Reação imediata da equipa da casa com Romário a empatar e, pelo meio, muita passividade da defensiva do Montalegre. Johan N´Zi volta a criar perigo num remate forte, a obrigar Jeimes a excelente intervenção. Depois, Duarte Duarte tirou um coelho da cartola e fez o melhor golo da tarde – remate forte e colocado que passa a equipa minhota para a frente do marcador. Em 3 minutos, a equipa de Vila Verde faz dois golos. Os Montalegrenses acusam os golos e, não fosse Jeimes a fazer nova grande defesa, o Vilaverdense passaria para a frente do marcador. Ao intervalo 2-1.

A segunda parte não foi tão bem jogada, com muitas paragens e aos soluços. Aos 61´,num lance de insistência do ataque barrosão, a bola esteve perto de entrar na baliza de Carlos. Responde Duarte Duarte, o melhor da equipa da casa, com muito perigo para a baliza de Jeimes.

O Vilaverdense procurava fechar o encontro, já os barrosões tentavam chegar ao empate. A equipa transmontana refrescou o seu ataque com as entradas de Ouattara, Miguel Ângelo, Zangão e Mateus Amorim.

Aos 67´, Rafa Miranda atira em arco mas a bola não fechou o suficiente para entrar na baliza. Depois, N´Zi remata para mais uma boa intervenção de Jeimes. Em cima do minuto 90´, grande arrancada de Vilmar pela esquerda, acabando derrubado dentro da área. Grande penalidade defendida por Carlos mas na recarga Zangão acaba por estabelecer o resultado final em 2-2.

Um empate com sabor doce e suave para os transmontanos. Já o Lank Vilaverdense lamenta a perda de dois pontos em cima do apito final e diz praticamente adeus aos primeiros cinco lugares da tabela classificativa.

Arbitragem positiva, sem influenciar o resultado final.

O treinador do Vilaverdense, Carlos Cunha, estava desolado com o golo sofrido nos descontos: “É frustrante, sobretudo como deixamos fugir uma vantagem já no final do jogo. Tínhamos de ganhar este jogo por aquilo que fizemos. Era muito importante ganhar hoje por todas as razões. No detalhe, fomos penalizados. Temos que ser mais consistentes, mais focados na parte final.”

Tiago Pona, o treinador adjunto do Montalegre, saiu mais agrado com a divisão de pontos: ”Chegamos ao 1-0, depois sofremos dois golos. Não podemos perder bolas em zonas intermédias. Pela segunda parte, pela atitude e entrega, é o resultado justo, tendo em conta o que as duas equipas criaram durante o jogo.”

VILAVERDENSE – MONTALEGRE, 2-2

Vilaverdense: Carlos Fernandes; Stephen Payne (Miguel Dias 55); Rui Faria; Bianchi; Gabi; Gonçalo; Duarte Duarte; Musa (Willyam 86); Romário (Arnaud Thouluc 69); Rafa Miranda © e Johan N´Zi (Tomás Gama 86).

Treinador: Carlos Cunha.

Montalegre: Jeimes; Tiago Oliveira (Miguel Ângelo 46); Vítor Alves; Victor Pereira ©; Luan; Lio Guerra; Rúben Neves (Mateus Amorim 90+2); Zack; Angola (Ouattara 58); Samate (Zangão 73) e Vilmar.

Treinador: Tiago Pona.

Local: Campo da Cruz do Reguengo, em Vila Verde.

Árbitro: João Carvalho (AF Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Stephen Payne (48), Duarte Duarte (62), Rúben Neves (63), Vilmar (63), Eduardo Barros (72), Gonçalo (72).

Ao intervalo: 2-1

Golos: 0-1, Zack (28); 1-1, Romário (30); 2-1, Duarte Duarte (33); 2-2, Zangão (90+2).

Texto: Nuno Carvalho

Foto: Lank vilaverdense

Menu