Vianense-Vidago, 3-1: entrada em falso no segundo tempo

Encontraram-se duas equipas que vinham de duas derrotas pesadas no último desafio da série A do Campeonato de Portugal, no entanto, os homens da casa entraram fortes, a pressionar muito alto a equipa Vidaguense, que sentia dificuldades em chegar à baliza adversária.

Apesar disto, a única jogada de verdadeiro perigo surgiu apenas no minuto 22, quando após a marcação de um pontapé de canto, Leandro cabeceia à trave, na recarga foi novamente um homem do Vianense, Diogo Correia, a cabecear, mas desta vez por cima da baliza do jovem guarda-redes Pio.

Terminava assim a primeira parte, num jogo agradável, num terreno muito escorregadio e onde o controlo da bola era difícil. Estiveram melhor os homens do Alto Minho que através das alas iam colocando em sentido os Transmontanos.

A segunda parte, a equipa do Vidago entrou bem no jogo, uma atitude bastante mais ofensiva e por duas ocasiões criaram perigo na baliza adversária, no entanto, foi a equipa do Vianense que com uma série de ressaltos ganhos a meio campo, consegue isolar Fábio Sequeira, que na cara do guardião Vidaguense limitou-se a escolher o lado da baliza, inaugurando o marcador.

Volvidos 5 minutos, após a marcação de um pontapé de canto teleguiado para o recém-entrado Mailó, faz o 2-0 para os comandados de Miguel Mota. O Vidago em apenas 5 minutos via-se assim em desvantagem no marcado por duas bolas.

O jogo tornou-se mais complicado para os forasteiros, que em esforço tentavam criar perigo na baliza adversária. Foi então que aos 65’ após uma boa jogada ofensiva dos homens da Vila Termal, Adão quando se preparava para rematar é tocado na área e o juíz da partida aponta para o castigo máximo. Na marcação Elias reduz para 2-1.

O jogo nesta fase, com o terreno de jogo mais pesado e as equipas com menos frescura física tornou-se mais de luta e menos bem jogado. O Vidago tentava chegar à igualdade, no entanto, não conseguia colocar em perigo a baliza adversária, por sua vez os anfitriões tentavam controlar o jogo e sempre que possível aproximar-se da baliza adversária.

O Vidago tentava mais com o coração do que com a cabeça, e já numa fase de desespero, aos 90+5’ é apanhado em contrapé, quando de uma transição rápida, Mailó sem oposição, assiste Rodrigo Vieira para o terceiro golo.

Vitória da equipa que demonstrou ser mais eficaz e que por mais tempo teve supremacia no jogo, com uma arbitragem de má qualidade e, com dualidade de critérios em nítido prejuízo dos homens que viajaram de Trás-os-Montes.

Texto e foto: Manuel Portelinha

VIANENSE-VIDAGO, 3-1

Vianense: Taha; Cristiano; Vítor Sousa; Diogo Brito (Baldé, 66); Óscar Sá; Diogo Gonçalves (Mailó, 45); Tiago Carvalho (Marcelo, 70); Fábio Sequeira; Leandro (Zé Nando, 85); Diogo Correia e Ruca (Rodrigo Vieira, 45).

Treinador: Miguel Mota

Vidago: Pio; Jorginho (Ilyas, 45); Abreu; Pedro Miguel; Parini; Gabi (Luís Borges, 85); Joni; Afonso (Gonçalo Portal, 58); Elias; Edu Paiva (Adão, 58) e Ricky (Príncipe, 70).

Treinador: Miro Vinhais

Local: Estádio Dr. José de Matos – Viana do Castelo .

Árbitro: João Branco (AF Ponta Delgada).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Ruca (35); Gabi (60); Vítor Sousa (65); Gonçalo Portal (80) e Mailó (82).

Ao intervalo: 0-0

Golos: 1-0, Fábio Sequeira (48); 2-0, Mailó (53); 2-1 Elias (65 penálti); 3-1, Rodrigo Vieira (90+5).

Menu