Ténis: VIII Torneio S. Pedro

Principais troféus foram arrecadados pelos tenistas do Clube Ténis Vila Real

Fim-de-semana desportivo em cheio! No Palau Blaugrana (traduzindo, Palácio Azul e Grená), em Barcelona, a selecção nacional de hóquei em patins sagrou-se, de novo, campeã mundial e Portugal somou o seu… 16.º título nesta competição.

Em Church Road, no bairro londrino de Wimbledon, o sérvio Novak Djokovic, cada vez mais herbívoro, venceu pela quinta vez no All England Lawn Tennis Club e passou a contabilizar… 16 Grand Slams na sua carreira.

Por fim, e não menos digno, junto ao aeródromo, nos courts do Clube Ténis Vila Real, realizou-se mais um Torneio S. Pedro. Neste caso, a oitava edição. Bem, metade de 16!

No sábado, sem delongas, a prova teve um início expedito logo pela manhã com a recepção dos jogadores inscritos (de Vila Real, Lamego, Régua e Mirandela), a distribuição das t-shirts de participação (apoio da empresa do ramo automóvel, Irmãos Leite) e brindes do representante de artigos desportivos Dunlop. Assim, e cumpridas estas formalidades, rapidamente começaram a ecoar as primeiras pancadas nos campos do CTVR.

Foi iniciada a primeira ronda do quadro de singulares (eliminação directa) e, posteriormente, foram entrando em competição os grupos de pares. Sempre num registo organizado e fluído. Aliás, como convém! Depois… as previsões do IPMA (O Instituto Português do Mar e da Atmosfera) foram mesmo certeiras! As nuvens negras começaram a “cercar” os courts e, de facto, a chuva (intensa, mesmo) acabou por surgir a meio da manhã.

Recolhidos e instalados na logística presente no clube (gentileza da APCVR – Associação de Paralisia Cerebral de Vila Real), os jogadores e o público aproveitaram para colocar “a conversa em dia”. Mas, felizmente, foi rápida a pausa.

Sob o “beneplácito de S. Pedro”, verdadeiro patrono do torneio, os campos de cimento poroso do emblema da “Bila” que, inicialmente, se encontravam um pouco escorregadios, foram progressivamente secando, o que proporcionou uma aprazível jornada tenística. Realmente, um excelente convívio, quiçá potenciado pela iguaria (Porco no Espeto) disponibilizada aos atletas e que mereceu os maiores elogios de todos os que desfrutaram deste repasto.

No plano competitivo, a selecção das “melhores raquetes” foi imperando e no domingo, dia das ½ finais de singulares e pares, os tenistas em confronto foram os que melhores argumentos apresentaram.

Em singulares, Henrique Vaz (CTVR) venceu o seu tenaz colega de clube, Hugo Sousa, por duplo 6/2 e Pedro Teixeira (CCPAD) acedeu à final após uma luta durinha e demoooorada (7/6 (5), 5/7 e 11-9) frente a Guilherme Saraiva, do CTVR.

Nos pares, a dupla do CTVR, Albano Ledo / Paulo Padilha, derrotou a parceria filiada na duluténis, Paulo Marinho / Rui Castro por 6/4, 7/5.

Na outra meia-final, a habitual sociedade do CTVR, Amadeu Fernandes e Guilherme Saraiva, levou de vencida a equipa do CCPAD, constituída por Pedro Teixeira e Hugo Vaz, por 6/2, 6/4. De tarde, e com uns respeitáveis 30º Celsius, realizaram-se as tão aguardadas finais.

Primeiro, singulares. Henrique Vaz vs Pedro Teixeira (na foto). A derradeira peleja foi um pouco prejudicada pelo vento lateral, no entanto, as pancadas agressivas foram uma constante. Ainda assim, e porque este jogo também é solidez (e muita…), o triunfo de Vaz foi assinado em dois pequenos e esclarecedores sets, pelos parcelares de 6/1 e 6/2, período durante o qual o representante do clube do Peso da Régua não foi capaz de contrariar mais uma consistente actuação do seu opositor.

Consistência e boa condição física que permitiram ao antigo campeão regional absoluto variar ritmos – com pancadas planas, liftadas e muito slice de esquerda -, e mitigar as armas de seu opositor, em especial a sua belicosa direita.

Equipas finalistas na vertente de pares

Na vertente de pares, a final proporcionou, de forma tranquila e célere, à dupla Fernandes / Saraiva o título nesta popular variante – 6/2, 6/1 -, face ao conhecido duo formado por Padilha e Ledo.

A encerrar, a habitual cerimónia de entrega dos troféus (cortesia do Município de Vila Real) premiou os diferentes vencedores e finalistas (na foto, ladeados pelo diligente presidente do CTVR, José Ribeiro), que assim conquistaram um lugar de destaque nesta competição. De facto, um fim-de-semana em cheio!

AF

Fernando Gonçalves faz “dobradinha” ao conquistar a Taça de Portugal XCM
GCVR representado por cinco atletas no Encontro Nacional do Jovem Nadador

Conteúdo relacionado

Menu