Taça de Portugal: Montalegre-Académico de Viseu, 2-3 (crónica)

Arbitragem infeliz dita resultado final

O CDC Montalegre não foi inferior ao Académico de Viseu. O resultado não mostra o que se passou.

O Montalegre está fora da Taça de Portugal, depois de ser derrotado por 2-3. Entrou receosa, ansiosa e temerosa a equipa transmontana. Todavia, e com o decorrer dos minutos, a equipa barrosã foi-se soltando e, aos 12 minutos, Samate é empurrado dentro da área.

A equipa de arbitragem não assinala uma grande penalidade que toda a gente viu. Responde o Académico e Carter obriga Jeimes a defesa apertada. Depois, grande jogada dos barrosões e Bah é impedido de chegar à bola. Era a segunda grande penalidade que ficava por assinalar.

O jogo entrava numa toada de equilíbrio e depois de um erro defensivo, Yuri Araújo, o melhor em campo, inaugura o marcador. Reage bem ao golo a equipa da casa e, depois de grande jogada, Luan falha um golo cantado – o cabeceamento do brasileiro sai ao lado. Quem não marca, às vezes sofre, e Paná faz o 0-2, depois de mais um erro defensivo pouco usual do Montalegre. Ao intervalo 0-2.

No reatar, Yuri Araújo, o brasileiro, ex-Penafiel, faz o 0-3, num remate forte. Pensava-se que estava tudo decidido… Mas não, a atitude do Montalegre foi fantástica e Ouattara reduz, depois de canto de Rúben Neves. A seguir, mão dentro da área do Académico de Viseu mas o juiz da partida nada assinala.

Ao minuto 61, Vilmar atira ao lado e Zangão faz o 2-3, depois de grande penalidade cometida sobre Angola. Os últimos 30 minutos de jogo foram de grande aflição junto da baliza Viseense, até porque Fernando Ferreira é expulso e deixa a equipa com dez unidades. Aos 81, Miguel Ângelo, de livre, obriga Ricardo a defesa apertada para canto.

Já no fim, aos 90+3, Zangão dispara ao ferro. O Montalegre merecia chegar à 4ª eliminatória, porém esteve em campo uma equipa de arbitragem em tarde pouco inspirada. Os barrosões, também tiveram culpas pois “ofereceram” dois golos ao adversário. Também faltou uma pontinha de sorte. Em suma, não ganhou a melhor equipa.

REAÇÕES DOS TREINADORES:

“ Os pequenos continuam a ser pequenos e os grandes continuam a ser grandes, normalmente ajudam os que têm mais estatuto. Tiraram-nos a próxima eliminatória, que era de todo justa. Houve coisas escandalosas neste jogo. Uma grande exibição do Montalegre e estou orgulhoso da minha equipa.”

José Manuel Viage (treinador do Montalegre)

“Esperava dificuldades. 60 minutos bons da nossa equipa, onde ficamos com vantagem de 3-0, mas depois não soubemos controlar o jogo. Podíamos ter feito a gestão do jogo de outra maneira. Passamos a eliminatória, que era o nosso objetivo…”

Pedro Duarte (Treinador do Académico de Viseu)

Texto: Nuno Carvalho

MONTALEGRE-ACADÉMICO DE VISEU, 2-3

Montalegre: Jeimes, Tiago Oliveira (Ouattara, 46), Adilson, Vítor Alves, Xavi (Zangão, 56), Luan, Lio, Rúben Neves (Mateus, 83), Samate (Angola, 56), Alseny Bah (Vilmar, 46) e Miguel Ângelo.

Treinador: José Manuel Viage

Académico de Viseu: Ricardo Fernandes, Joel, Pica, Mathaus, Jorge Miguel, Diogo Santos, Paná (Jeremias, 83), Fernando Ferreira, Luisinho (André Carvalhas, 68), Carter (Paul Ayongo, 58) e Yuri Araújo (João Vasco, 83).

Treinador: Pedro Duarte

Local: Estádio Dr. Diogo Vaz Pereira, em Montalegre

Árbitro: João Gonçalves (AF Porto)

Ação disciplinar: cartão amarelo para Alseny Bah (13), Tiago Oliveira (20), Fernando Ferreira (22 e 63), Miguel Ângelo (54), Adílson (84) e Ricardo Fernandes (90+3). Cartão vermelho, por acumulação de amarelos, para Fernando Ferreira (63).

Ao intervalo: 0-2

Golos: 0-1, Yuri Araújo (38 ); 0-2, (Paná, 42); 0-3, Yuri Araújo, (47); 1-3, Ouattara, (57); 2-3, Zangão (73 penálti).

Menu