Simplício Taveira: a época de 2020 ainda que reduzida, correu muito bem

O nosso convidado de hoje é outro piloto transmontano, mas de Vila Real, de sue nome Simplício Taveira, que nos falou um pouco de tudo em termos da sua carreira, e para dar inicio a nossa conversa de hoje, pedimos que nos fizesse um balanço daquilo que foi a época de 2020, na qual começou por nos dizer “No que respeita a 2020, o meu percurso automobilístico foi relativamente diminuto, mas consigo fazer um balanço positivo. Participei meramente em 2 provas distintas, a Rampa Porca de Murça 2020 e o Campeonato de Portugal Velocidade Legend’s prova de Portimão, ambas ao volante do Toyota Corolla Gti 1.6 (AE92) da Brivel Sport. O carro em circuito, é empolgante e apresentou um desempenho linear e robusto nos diferentes contextos em que competiu.

Após estas duas participações, face à pandemia que assolou o nosso país e o mundo, não foi exequível participar nas restantes provas.” A opção pelas provas de velocidade têm uma razão, que logo explicou “A minha opção relativamente à velocidade, prende-se ao facto de gostar de velocidade desde muito pequeno, quando assistia às corridas do nosso circuito, quanto à montanha é um desafio, e eu gosto disso, no contexto da montanha é uma prova isolada, a cada subida, procura-se fazer melhor.” .Voltando à época passada pedimos a Simplício Taveira, que nos explicasse de forma mais detalhada como correu cada uma das provas em que participou, onde depois de pensar um pouco disse-nos “ A época de 2020 ainda que reduzida, correu muito bem! A primeira prova que participei foi a Rampa Porca de Murça 2020, destaco o excelente desempenho do Toyota Corolla. Constante evolução a cada subida. Na minha segunda prova, participei no Campeonato de Portugal Velocidade Legend’s de 2020 no autódromo de Portimão, considerei uma experiência muito fascinante. Nos treinos livres de entre os 20 participantes, consegui o 4º lugar, no entanto, o carro teve um contratempo na caixa de velocidades, não havendo oportunidade de realizar nenhuma volta, posto isso, arranquei das boxes para primeira corrida, classificando-me em 10º lugar da geral e 3º lugar da classe. Da segunda corrida, classifiquei-me em 5º lugar da geral e 2º da classe”.

Que pensa do calendário de 2021,o que logo retorquiu “O calendário de 2021, no meu entender, está relativamente bem organizado, no que respeita a datas e respetivas provas, sendo que, a disparidade de datas permite preparar com mais exatidão o carro para a prova seguinte, sendo isso um aspeto positivo para poder melhorar o desempenho prova a prova.” Antes de entrar para o carro respeita algum ritual, “Sim respeito! Geralmente entro no carro, no mínimo 15 minutos antes para ficar lá dentro sozinho e sentir carro.” O que lhe vai na alma nos minutos que antecedem a entrada em pista e a largada para mais uma corrida?” Nos minutos que antecedem a corrida medito aceleradamente sobre um pouco de tudo, essencialmente em chegar com o carro inteiro no final da prova, não lesar os colegas, tirar o máximo de partido da corrida e obviamente subir ao pódio.”

O que acha da política da FPAK, com os desígnios de Ni Amorim? Acha que tem sido feito um bom trabalho? Quais as críticas a fazer a esse mesmo trabalho? ”No que respeita a Ni Amorim, no meu ver, tem feito um excelente trabalho, dada a situação atual do nosso país, vão surgindo novas provas e reconheço-lhe o esforço para realizar as provas agendadas. A única ressalva que tenho a fazer é o valor das inscrições pois são bastante elevadas, julgo que se fosse reduzido o valor das mesmas, haveria mais participantes.”

Voltando a falar do seu carro, já alguma vez chegou aos limites do mesmo? Nessa altura é fácil de ir buscar o mesmo? E sustos?” Sim já cheguei aos limites, nesse instante, tive de acreditar e fui buscá-lo. Até ao momento, apenas tive um susto, na rampa de Murça, aconteceu numa curva contracurva, o carro fugiu, nesse momento desacelerei e acelerei outra vez, ele agarrou e fiz o meu melhor tempo 2.35.517 à média de 97,2km/h.”

Fale-nos da sua equipa. Quem é o preparador e os mecânicos que assistem o seu carro “O carro é uma preparação da Brivel Sport em Vila Real, cujos responsáveis por toda a construção são o Otílio Ferreira e o Filipe Ferreira, apoiados pelos restantes membros da equipa, que me acompanham em todas as corridas.”

Como é que chegou às corridas? Fale-nos um pouco de forma resumida como começou e quais os passos que deu até aos dias de hoje, o que depois de pensar um pouco, do tipo puxar a fita atrás…disse-nos “Iniciei-me no mundo do desporto automóvel com o João Sousa e o pai Carlos Sousa da GV Competição. Em 2016, recebi um convite para jantar com eles, no qual, me foi proposto participar no Campeonato de Inverno em Braga ao volante do Peugeot 306 Gti, nessa altura decidi aceitar, fiquei com o “bichinho” das corridas. O campeonato era composto por duas corridas, e assim foi fizemos um track day no sábado antes da corrida, a corrida era no domingo, foi horrível, chovia muito e o João pôs-me a andar com pneus slick e até os Puntos me passavam, depois fui com pneus de chuva e aí sim, vi o potencial do carro em chuva, fiquei mais motivado para a corrida do dia a seguinte. Domingo, um sol lindo, ou seja, as condições climatéricas eram absolutamente diferentes das quais havia testado o carro, tive de voltar a habituar-me a pneus slick, na 1ªcorrida fiquei em 7º da geral e 2º da classe, na 2ª corrida fiquei em 5º geral e 1º da classe, foi assim que tudo começou. Após esta experiência, fiquei empolgado em continuar e então fiz a época de 2017 e a Rampa de Murça com o 306 da JC Motorsport, ainda em 2017 fiz a prova de resistência em Braga de Saxo, o Racing Weekend – Tcr Ibérico de Golf VI Gti da Martins Speed (corrida de Portimão), 6h de resistência em Braga com um Fiat Uno da JC Motorsport e as 400 voltas Jaime Moura Memorial (Ralycross).Em 2018 participei na Rampa de Murça e no Campeonato Nacional Legend’s de Peugeot 306.

Em 2019, estive presente na Rampa de murça e na Rampa de Sta. Marta ao volante de um Toyota Starlet da JC Motorsport, No Troféu Kia Picanto Gt Cup, 500km do Estoril de Fiat Punto da Brivel Sport e no Troféu C1 learn and drive.Por fim, em 2020 apenas fiz a Rampa de Murça e a prova de Portimão do Campeonato de Portugal Velocidade Legend’s.

Para 2021 há perspetivas de aumentar o número de patrocinadores, “Face à pandemia que assola o nosso país, gostaria nitidamente de manter os atuais e aumentar o número, contudo, ainda não tenho nenhuma decisão formalizada sobre as provas a realizar.” Acha que a atual divulgação do nosso automobilismo em Portugal em termos de TV melhorou? Qual a sua opinião, e na sua opinião quais as principais falhas, e o que sugere para colmatar essas mesmas falhas,” Sim, em termos televisivos melhorou, tem aparecido em vários canais e repetidamente, o que é ótimo para divulgar o desporto automóvel nacional e também para dar projeção aos patrocinadores. “

Qual a sua opinião, acha que as medidas de segurança para os pilotos existentes nas pistas, montanha rali são suficientes? E em termos de segurança pessoal sente-se seguro com o seu equipamento? Acha que é necessário mais ?” Tenho plena concordância com o regulamento existente, temos de cumprir os regulamentos de segurança da FIA, quer no carro quer no equipamento individual. Em todas as provas, existe uma vigilância acrescida de todas as normas de segurança, o que é fulcral dada a velocidade e perigos que enfrentamos a cada corrida.”

Que evoluções tem previstas para a época de 2021 no seu carro? ”Não tenho previsões para 2021, gostava de experimentar rali, participar em algumas rampas e obviamente o circuito de Vila Real.

Entrevista conduzida por João Raposo

Menu