SERÁ DESTA?

 Desde André Silva que nenhum avançado da formação dos três grandes portugueses se consegue afirmar. Se a ascensão dos jovens da formação é muitas vezes complicada, nenhuma posição é tão escrutinada como a de ponta de lança.

 Nesse sentido, a dúvida sobre a titularidade de Gonçalo Ramos no Benfica no arranque da época oficial continua a pairar no ar. O dianteiro de 20 anos tem merecido a confiança de Jorge Jesus nos particulares, respondendo com golos e boa exibições, mas perante a concorrência, não é líquido que seja a primeira opção.

 Darwin está lesionado, mas sustou 25 milhões de euros e irá regressar; Seferovic vem de um bom Europeu e foi o melhor marcador da equipa na temporada anterior (26 golos); Caros Vinícius, apesar de também, não ser garantido que fique, regressou do empréstimo e é igualmente, uma opção bastante válida e há ainda Rodrigo Pinho, contratado ao Marítimo.

 Assim, o algarvio terá de suar para conquistar um lugar a sol, mas parece claro que talento não lhe falta para vingar na Luz. Além, de cheirar o golo, tendo um poder de desmarcação fantástico e uma grande inteligência e frieza na finalização seja com os pés ou com a cabeça, Gonçalo Ramos consegue também ligar-se com a equipa e participar na criação de jogadas no momento ofensivo.

 Não é, por isso apenas o puro 9 de encostar algo que, certamente, agradável a JJ. Por outro lado, deu nas vistas na época passada, sobretudo ao serviço da equipa B (11 golos), mas fez igualmente a diferença na equipa principal (4 golos).

 No entanto, como referido, a história corre contra Ramos. Outros nomes promissores como Tiago Tomás. Fábio Silva, Nélson Oliveira ou Rui Pedro tiveram algumas oportunidades; Saleiro, Betinho ou Pedo Mendes também, apareceram a espaços, mas ninguém, se conseguiu afirmar verdadeiramente. Mesmo André Silva saiu do Dragão sem deixar uma grande marca no clube, ao contrário do que aconteceu anteriormente com Hélder Postiga, figura de proa num FC Porto campeão e vencedor da Taça UEFA, em 2003.

 Ainda assim, numa fase em que o investimento é cada vez mis dificultado pela crise que a pandemia gerou, apostar na formação parece o único caminho para os clubes portuguese e Gonçalo Ramos tem tudo para se seguir aos últimos grandes nomes oriundos do Seixal e que se afirmaram na equipa principal. Será um desperdício enorme se tal não acontecer.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu