Prioridade de Bizarro

José Bizarro, que na semana passada sucedeu a Capucho no comando técnico do Sporting da Covilhã sublinha que face à classificação da equipa, para já importa “ser pragmático” e “somar pontos”, para depois pensar em tornar atractivo o jogo da equipa.

 “Temos de ser pragmáticos, acima de tudo. Quando conseguirmos subir um pouco na tabela, a gente pensa em outro tipo de flores, mas agora é organizar, ter atitude, tentar explorar bem um ou outro ponto fraco que os adversários possam ter a esconder os nossos pontos fracos”, sintetiza o novo treinador serrano.

 Segundo Bizarro, não lhe foi pedido pela direcção do clube “nada em específico”. “Dada a classificação em que estamos, é tentar melhorar a qualidade de jogo, tentar melhorar em certos aspectos e somar pontos. De imediato não se pode pedir muito mais do que isto”, acentua Bizarro, que tem no 4x4x2 o sistema táctico preferencial.

 Questionado sobre as críticas feitas pelo anterior treinador aos jogadores, o antigo guarda-redes vincou estar interessado no trabalho feito desde que chegou à Covilhã na quarta-feira, e afirma ter “opões válidas” no plantel.

 “Muitas vezes não se marcam golos não por falta de qualidade, mas porque não se consegue que os jogadores apareçam em zonas importantes de finalização e é isso que se vai tentar corrigir, Temos opões válidas no banco. É uma questão de posicionamento e de confiança”, realça.

 O treinador dos “leões da serra” manifesta-se satisfeito com a postura da equipa no primeiro jogo consigo no comando, no empate sem golos com o Vizela, e disse que os jogadores deixaram, bons indicadores.

 O ex-técnico do Lusitano de Évora agradece ao Sporting da Covilhã a oportunidade de pela primeira vez, treinar nos campeonatos profissionais.

 “Andei 15 anos à espera desta oportunidade, acho que merecida, por aquilo que tenho feito para trás. Tenho 400 jogos no Campeonato Nacional de Seniores, sou o segundo treinador com mais jogos nesse campeonato, e se sou o segundo com mais jogos, é porque o trabalho foi bem feito, senão estava em casa”, comenta Bizarro.

 A diferença do terceiro escalão do futebol nacional para a II Liga “é muita e não é”. A principal vantagem é a facilidade dos jogados em assimilarem o que lhes é transmitido. Com uma sequência de vários jogos seguidos num acurto período, e sem tempo suficiente para treinar no relvado o que pretende implementar, Bizarro conta com “a experiência e qualidade” dos jogadores neste patamar para apreenderem as ideias que não for para já possível testar em treino.

 José Bizarro é o terceiro treinador do Sporting da Covilhã esta temporada, depois de Daúto Faquirá e Nuno Capucho, e torna-se o quatro campeão do mundo sub-20 a comandar o plantel serrano, depois de Hélio Sousa, também, em Riade89, e de Tulipa e Capucho, em Lisboa91.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu