OS TREINADORES E O BENFICA

 A propósito das notícias, de fonte credível, embora não confirmadas oficialmente, que dão como certa a contratação do treinador alemão Roger Schmidt pelo Benfica valerá a pena elencas algumas ideias.

 Durante muitos anos exceção feita ao modelo britânico, baseado num mamager de responsabilidades alargadas, os clubes pautaram-se pela norma de que os treinadores, por natureza transitórios, deviam, trabalhar com quem as direções muito bem entendessem, uma vez que estas seriam o garante dos interesses intemporais do clube. Muitas vezes os treinadores lá conseguiam influenciar para que fosse contratado este ou aquele jogador, mas ficavam longe de ter a faca e o queijo na mão.

 No caso de Roger Schmidt, que advoga um tipo de futebol muito específico, de que não quererá abrir mão, fará sentido contratá-lo sem que lhe sejam dadas as armas necessárias para materializar o seu trabalho? À partida, a resposta parece ser “não”, quem fecha contrato com um técnico de pressão alta (para não dizer altíssima) precisa de ter jogadores, da posição um à posição onze, que cumpram as tarefas atribuídas a cada segmento.

 Só assim haverá coerência e o projeto terá pernas para andar, salvaguardando, obviamente, o contraditório com a administração e as limitações financeiras do clube. Recupere-se o exemplo de Julen Lopetegui e do FC Porto os dragões colocaram-se, precipitada a acriticamente, nas mãos do atual treinador do Sevilha e deram-se mal desportivamente e muito mal financeiramente.

 Ou seja, quando se contrata um treinador que não vem para se adaptar ao plantel (como foi o caso de Lopetegui e é o caso seguramente de Schmidt), a chave do sucesso está no diálogo e na razoabilidade dos pedidos, na certeza de que um treinador deste tipo não aceita no plantel jogadores que não fazem sentido para aquilo que quer levar por diante. Quem trabalha assim, entre nós? Rúben Amorim, que pouco a pouco, cirurgicamente, adaptado o grupo à sua visão de futebol, em comunhão com a direção desportiva do Sporting…

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu