Opinião: Um velho caminhante

Semana ficou marcada pelo regresso de Jesualdo Ferreira ao futebol português, pela porta do Boavista, clube que já havia representado em 2006, ainda que sem dirigir nenhum jogo oficial devido à saída para o FC Porto.

Trata-se e um velho caminhante do nosso futebol, alguém que, aos 74 anos, dispensa apresentações e que chega ao Bessa para reorganizar uma equipa que tem sentido muitas dificuldades para atingir o sucesso que era esperado.

No verão, os xadrezados, em parte devido à parceria com o Lille, clube francês que esta semana foi vendido a um fundo de investimento inglês, reforçaram em massa o seu plantel, variando entre jogadores muito experientes e jovens promessas, mas a verdade é que os resultados têm, deixado a desejar.

Vasco Seabra nunca conseguiu espelhar no terreno as suas ideias, venceu apenas um jogo (frente ao Benfica curiosamente) e acabou por deixar o cargo sem deixa marca.

Assim o perfil de treinador mudou agora radicalmente. Apesar da má experiência recente no Santos, do Brasil, e os vários anos afastado da Europa (não treina por cá desde 2014), Jesualdo Ferreira tem o conhecimento e a qualidade necessária para dar a volta ao texto e potenciar um plantel que vale mais do que tem mostrado.

Essa tendência verificou-se já em Paços de Ferreira, território que marcou a estreia do Professor ao leme do Boavista, uma vez que, apesar do empate (1-1),o Boavista conseguiu superiorizar-se em quase toda a linha e acabou por ser surpreendido numa bola parada e num lance com alguns ressaltos à mistura.

Disso não tem culpa o Paços evidentemente, mas ficou na retina aquilo que este Boavista pode fazer a breve prazo. Javi Garcia terá feito a melhor exibição desde que aterrou no Bessa. Angel Gomes e Elis voltaram a fazer estragos e existem outros elementos prontos a subirem de rendimento como Nuno Santos, que só entrou na segunda parte, Paulinho, Juwara ou os laterais Canno e Hamache.

Por outro lado, a principal lacuna parece estar no eixo defensivo, onde falta alguma maturidade, mas as equipas de Jesualdo são conhecidas por terem um processo defensivo rigoroso e esta não deverá ser exceção.

Deste modo, apesar da situação complicada na tabela classificativa (16º lugar, com 9 pontos, apenas um acima da linha de água), existe muita curiosidade para perceber como será a evolução deste Boavista nos próximos tempos.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu