Opinião: jornada de nervos

A jornada ficou marcada por nervos e emoção no topo da tabela da Liga NOS, com os candidatos ao título a serem bafejados por sortes distintas. Em finais impróprias para cardíacos e com muita incerteza, a consequência mais imediata foi a aproximação do top-4, com o Sporting a ter agora dois potos de avanço sobre o Benfica, quatro sobre o FC Porto e cinco sobre o SC Braga.

Os leões deslocaram-se a Famalicão, equipa que venceu os dois jogos com o Sporting na época passada, e voltaram, a ceder pontos.

Foi uma noite de muitas incidências, com golos, um penalty desperdiçado, expulsões, polémica e um enorme ´frango´ de Adán, que teve uma noite infeliz. O conjunto de Rúben Amorim foi superior, criou mais oportunidades perante um Famalicão muito remetido ao seu reduto, mas não conseguiu fechar o resultado e foi penalizado na parte final, numa fase em que Pedro Gonçalves, que apontou um golaço, já havia sido expulso.

Aproveitou o Benfica, que sofreu muito para levar de vencido um Paços de Ferreira ambicioso. Os pacenses têm, sido a revelação do campeonato e estiveram, muito perto de levar um ponto da Luz, não fosse o cabeceamento certeiro de Luca Waldschmidt.

O alemão não foi titular, tal como Gabriel, mas juntos combinaram no golo da vitória. Um golo saboroso certamente e que ajuda a sacudir a pressão que tem pairado nos ombros de todos.

Por outro lado, no jogo com mais golos da ronda, o FC Porto voltou a sofrer três golos no Dragão, mas conseguiu bater o Tondela. Triunfo arrancado a ferros, sobretudo se tivermos em conta que os visitantes enviaram uma bola à barra nos descontos.

Taremi foi novamente titular e respondeu com um golo, mas a figura acabou por ser Marega, que bisou. Foi a terceira vitória seguida no campeonato, mas Sérgio Conceição fez questão de referir que há um problema defensivo para resolver. Por fim, o SC Braga que tem estado em grande na Europa, tropeçou no Jamor, perante um surpreendente Belenenses SAD.

O conjunto de Petir ocupa um confortável 8º lugar, com 11 pontos, e detém, a melhor defesa da prova (6 golos), sendo que, nesta ronda apenas consentiu um golo de penalty.

O SC Braga, que jogou a meia hora final reduzido a 10, não conseguiu encontrar o caminho da baliza de forma frequente (a equipa de Carlos Carvalhal tem revelado problemas de eficácia) e pagou o preço com a terceira derrota na competição e a descida ao 4º lugar.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu