Opinião: Desportivo de Fátima

Na época que agora começa, o Centro Desportivo de Fátima não vai ter uma, mas duas equipas em competição. A da SAD, que disputará o Campeonato e Portugal, e a do clube, que agora arranca, participará na última das divisões do futebol distrital de Santarém. Não é uma situação normal, mas que até já aconteceu no União de Leiria, em 2012/13, quando a SAD e João Bartolomeu já derrapava e o clube procurava um via alternativa.

O que motiva esta iniciativa, segundo o padre António Martins Pereira, é o facto de neste momento “pouco ou nada” ligar a SAD à cidade e ao clube, “Houve uma ruptura total. Não existe diálogo e nada sabemos”, sublinha o histórico presidente do emblema grená, que tem sido particularmente crítico com os problemas sucessivos que têm existido na sociedade anónima desportiva. Na época passada, por exemplo, foi notícia a acumulação de ordenados com atraso aos 47 jogadores que passaram pela equipa sénior e restantes funcionários.

Ainda por cima, acredita António Martins Pereira, a SAD nem sequer jogará na cidade. “Deve ficar em Lisboa. É lá que estão a treinar, a série é composta por equipas dessa zona e para jogarem no Estádio Municipal de Fátima teriam de pagar o que devem à Câmara Municipal de Ourém, o que não acredito. A população também já está alheada desse projecto, por isso no vejo qual seria o objectivo”.
À margem da última reunião de câmara, e resto, o presidente da autarquia, Luís Albuquerque, revelou que dos 46 mil euros em dívida, a SAD só abateu 15 mil e garantiu que só quando pagar é que pode voltar a usar o recinto.

Outro dos motivos que levou o Centro Desportivo e Fátima a avançar com uma equipa sénior nos distritais foi o facto de a SAD não incorporar “jovens da terra” no plantel, que este ano será treinado por José Carlos Mozer, “Temos futebolistas que terminaram as camadas jovens e não tinham possibilidade de continua a jogar”, explica, ao mesmo tempo que salienta o “belo trabalho” que é feito nos escalões de formação. “A Federação reconheceu-nos com quatro estrelas”, sublinha o presidente.

Ora, estes jovens talentosos, dirigidos pelo técnico Kata – outro nome incontornável do futebol do Fátima – vão voltar a fazer com que a cidade tenha orgulho no seu emblema, acredita o padre Pereira. A equipa, jogará no Estádio João Paulo II e, garante o responsável, os futebolistas “não terão qualquer subsídio”. “A malta está a reunir-se, alguns antigos directores voltaram a aparecer e querem ajudar” Este é o primeiro passo. Para o ano daremos o segundo. Estamos a renascer e isso é muito bom”.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu