O Sonho Olímpico do Andebol Português

Com o magnífico sexto lugar no Europeu de 2020, a Seleção Nacional de Andebol garantiu o apuramento para o torneio pré-olímpico, que deveria ter sido realizado em abril de 2020. Com o aparecimento da pandemia e, o consequente adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para o ano de 2021, naturalmente que também os torneios pré-olímpicos viriam a ser adiados e realizar-se-ão nos próximos dias 12, 13 e 14 de março, ou seja, no próximo fim de semana.

Para a equipa portuguesa, será a primeira vez que estará tão perto de conseguir o sonho olímpico. Lembro-me bem de quanto o “eterno” Presidente da Federação Luís Santos almejava esse sonho olímpico, principalmente quando em 2003, o nosso país organizou o campeonato do mundo. Infelizmente esse desiderato nunca foi alcançado.

Os êxitos recentes do Andebol Português dão muita esperança, mas a valia dos oponentes (França, Croácia e Tunísia), a somar ao fatalismo do desaparecimento de Alfredo Quintana e às lesões de Humberto Gomes e Gilberto Duarte, fazem-nos pensar que não será nada fácil! E nós, os portugueses e, concretamente esta equipa, temos tido tarefas fáceis? Quem acreditava que no Europeu de 2020, com França, Noruega e Bósnia Herzegovina a nossa seleção passaria à segunda fase? E depois com Suécia, Islândia, Eslovénia e Hungria conseguiríamos ir lutar pelo 5º e 6º lugar? Sim, não só, mas também por isto, eu acredito!

Pela frente teremos a abrir, na sexta-feira, a seleção africana da Tunísia, que no último mundial, terminado há menos de 2 meses, se classificou bem atrás do 10º lugar de Portugal, quedando-se pela 25ª posição. É o atual vice-campeão africano, somente batida pelo Egito em janeiro de 2020 e, foi esse facto, que os apurou para este pré-olímpico. Mas se olharmos para o histórico olímpico dos africanos, estes contam já com três participações, nas olimpíadas de 1972 (16º), 2000 (10º) e 2016 (12º).

No sábado defrontaremos a Croácia que, depois de um dececionante mundial, onde se quedou pela 15ª posição, apostará tudo na presença nos Jogos Olímpicos. Esta será a prova de estreia para o novo selecionador, Hrvej Horvat, adjunto do carismático Lino Cervar no mundial, que não contente com a prestação da sua equipa no Egito bateu com a porta. Os Croatas têm 5 participações olímpicas somando dois títulos, uma medalha de bronze, um quarto e um quinto lugar! Em 2020 foram vice-campeões europeus, só batidos na final pelos nossos “vizinhos” Espanhóis. Foi o 6º lugar obtido no Mundial de 2019 que os classificou para este torneio pré-olímpico.

Por último, ainda por cima a jogar em casa (Montpellier), Les Experts! A França soma sete participações olímpicas, com duas medalhas de ouro, uma de prata, uma de bronze, um quarto, um quinto e um sexto lugares. Participam ininterruptamente nos Jogos Olímpicos desde 1992. No recente mundial ficaram no quarto lugar e acabaram por “mandar” Portugal para casa. Se olharmos para o Europeu de 2020, aí aconteceu o inverso e foram os portugueses a contribuírem para a prematura eliminação dos franceses. Foi o 3º lugar obtido no Mundial de 2019 que tornou possível a participação neste torneio pré-olímpico.

Os feitos recentes dos Heróis do Mar, juntando-se à vontade férrea dos seus colegas homenagearem Alfredo Quintana, que também fazia parte deste sonho olímpico, dá-me a confiança de acreditar que o Andebol Português poderá escrever outra página gloriosa, dando uma alegria enorme a esta família do Andebol e a todo o país, que choram ainda o trágico acontecimento.

Apoiem este bravos Heróis do Mar.

Por Portugal, por ti Alfredo Quintana.

Jogos

Sexta-feira, 12 março – 17:30 – Tunísia – Portugal

Sábado, 13 março – 17:30 – Croácia – Portugal

Domingo, 14 março – 20:00 – Portugal – França

Todos os jogos serão transmitidos na RTP2

Adriano Tavares (Presidente Associação de Andebol de Vila Real)

Menu