Motores: à conversa com João Sousa

Motores

Telmo Augusto, responsável pela secção “Motores” do Desportivo Transmontano, esteve à conversa com o piloto vila-realense João Sousa. Ainda jovem, mas já com uma longa carreira desportiva.

João, para quem não te conhece, uma breve descrição da tua carreira desportiva?

Bem em primeiro lugar obrigado pela oportunidade de falar mais um pouco de mim desportivamente e profissionalmente. A minha carreira desportiva conta este ano 20 anos. O trajeto começou por onde se deve começar, pelo karting, que é sem dúvida uma grande escola. Após a saída do karting passei por autocross, rallycross, ralis e velocidade onde consegui alcançar títulos em todas elas. São sem dúvida 20 anos de paixão a somar mais alguns desde o tempo que acompanhava o meu pai.

O ano de 2019 foi um ano de mudança para ti e para a tua equipa. Ficou para trás a Garagem Veiga Competição e abraçaste um projeto novo com o teu pai, a JC Motorsports. Como foi esta transição e qual o target desta nova equipa?

2019 foi um ano de grandes mudanças. Acabou efetivamente a Garagem Veiga Competição. Nasce a JC Motorsport que é formada apenas por mim e pelo meu pai. A transição acabou por ser gradual e mais fácil do que esperávamos em que apenas no final do ano decidimos revelar o novo nome. O target da nova equipa está em conseguir espaço no desporto motorizado em Portugal e conseguir também algumas presenças além-fronteiras. Ambicionamos também alcançar o máximo de títulos possíveis em todas as modalidades em que tivermos inseridos.

Após essa mudança em 2019, algo novo e terrível para todos, em especial para a competição automóvel, a pandemia da Covid-19. Que projetos estavam em andamento e estão agora completamente parados?

Bem, esta pandemia tem vindo a fazer inúmeras vítimas e é com a saúde que nos preocupamos mais. Ao nosso desporto, tem feito danos bastante graves pois os carros não podem andar, não há campeonatos e não sabemos onde vamos parar. Apesar disto, temos vindo a trabalhar na construção total de um carro mas é pouco, muito pouco.

O teu regresso à competição, para quando?

O meu regresso à competição… em termos esporádicos era intenção voltar este ano, agora com todas as incertezas não sabemos. Em campeonatos, por agora não há perspetivas pois a dificuldade de apoios é enorme e infelizmente necessitamos disso para marcarmos presença em campeonatos.

Preferes a pista ou as boxes?

Em relação a esta pergunta, são dois tipos de gozo diferentes. Na JC Motorsport não se trabalha apenas os carros, há uma componente de trabalho com os pilotos de forma a conseguirem evoluir e obter melhores resultados. Este tipo de trabalho dá imenso gozo, mas claro que quando tenho oportunidade salto para o lado de dentro.

Asfalto ou terra?

Gosto dos dois tipos de piso. Tenho andado mais em asfalto mas gosto dos dois. Confesso até que gostaria de fazer uns ralis de terra para me ambientar melhor. Gosto das sensações que ambos os pisos nos transmitem.

De tudo o que já conduziste, qual o teu preferido?

De tudo que já conduzi…Peugeot 306 Maxi

Qual o teu melhor momento desportivo até agora? E o pior?

Pior momento o acidente de Lousada no Toyota Starlet. Melhor momento…talvez o ano de estreia no circuito do meu 306 Maxi .

Como vês o desporto automóvel em Portugal?

É uma pergunta em podíamos ter aqui um texto muito extenso. Penso que temos muito ainda para caminhar. É uma pena não ser uma aposta das empresas em Portugal.

Qual a tua maior ambição em termos de desporto automóvel?

Ambição como piloto? Gostava de participar no rali da madeira no meu 306 Maxi.

A tua pista favorita?

Das que participei, Vila Real em citadina, Portimão pista fixa.

Quem é mais apaixonado pelo desporto automóvel tu ou o teu pai, Carlos Veiga?

Mais apaixonado? Penso que não há quem seja mais…é uma paixão que temos em comum. Gostava de num futuro próximo disputar corridas e dividir o carro com o meu pai. É um objetivo que temos e vamos fazer por cumprir.

O adversário mais difícil?

Não tenho memória de um adversário mais difícil, todos os adversários são difíceis. Lembro-me de um ano ainda no rallycross que tive como adversários diretos Manuel Inácio e João Barros. Eram corridas disputadíssimas, era uma grande emoção desde o desligar do semáforo até a bandeira de xadrez.

Como é correr em Vila Real? Como é essa pressão? A tua zona preferida do circuito?

Correr em Vila Real é especial…é uma emoção enorme entrarmos e percebermos que os nossos amigos estão a apoiar, todos estão a torcer por nós. É preciso um nível de concentração muito elevado. Zona preferida? Todo o circuito é especial, mas a que talvez tenha a minha preferência é da zona de meta até a chicane que antecede Mateus.

Quem é o teu ídolo?

Idolo? Como piloto gosto da história de Senna e do seu empenho e forma como guiava. Na história mais recente admiro Seb Loeb por todos os títulos, rapidez e capacidade de adaptação a cada modalidade em que competiu.

Obrigado João, muito sucesso para ti e para a tua equipa. Obrigado por teres aceite este convite. Muito obrigado mais uma vez!

Fotos by – K1N5E PHOTO

#EpicEvents https://www.facebook.com/epicdren.lda

Motores: Pilotos da Região em grande destaque na Rampa Porca de Murça
Rampa Internacional de Boticas adiada para 2021

Conteúdo relacionado

Menu