Montalegre – Merelinense, 0-2: CDC Montalegre perde em dia azarado

Por incompetência, pelo árbitro e por falta de pontaria, o Montalegre abre a fase de acesso à Liga 3 com uma derrota.

A equipa barrosã fez uma excelente primeira parte, todavia não conseguiu marcar por uma gritante falta de pontaria. O Merelinense, durante os primeiros 45 minutos, não teve uma única oportunidade de golo. Logo à passagem do minuto quatro, Rúben Neves obriga Rui Rêgo a defesa atenta.

Ao quarto de hora, Vilmar está perto de abrir o marcador, depois de um excelente cabeceamento. Adivinhava-se o golo dos transmontanos e, na sequência de um pontapé de canto, Filipe Almeida quase marca na própria baliza. Ao intervalo 0-0. Na etapa complementar, os papéis inverteram-se.

O Merelinense continua bem defensivamente mas passa a ser mais perigoso no ataque. Já o Montalegre acusa em demasia o golo sofrido aos 47 minutos pelo nigeriano Ola, de 26 anos e ex- São Martinho.

O tento minhoto surge depois de um canto e de falha de marcação dos barrosões. O Montalegre, a partir daqui, falha muitos passes e fica nervoso.

Aos 63´, Zack é abalroado dentro da área e fica por assinalar grande penalidade. Seria o possível 1-1. Na sequência do lance, o Merelinense coloca velocidade no corredor direito e, depois de cruzamento, Rúben Neves marca na própria baliza. Muito infeliz o médio naquela tarde.

A perder por 0-2, e com meia hora de jogo, a tarefa fica mais complicada, ainda para mais diante de um Merelinense que sofre poucos golos. Mesmo assim, Samate, em boa posição, desperdiça de forma escandalosa. Ao arriscar muito no ataque, o Montalegre punha-se à mercê de contra-ataques venenosos do Merelinense. Flávio Chita, duas vezes, esteve perto de matar o jogo com o terceiro tento.

Na compensação, Rúben Neves atira ao ferro, depois de canto direto. Vitória do Merelinense em tarde “não” dos transmontanos. O resultado acaba por ser exagerado face ao que aconteceu, mais concretamente a grande penalidade não assinalada sobre Zack.

O treinador do Montalegre, José Viage, lamenta o desaire: “O Montalegre fez uma primeira parte muito forte. Podemo-nos queixar de nós próprios pelas situações de golo que criámos e não conseguimos concretizar. Na segunda parte, a equipa ficou um pouco intranquila com o golo. Hoje não tivemos a estrelinha mas o futebol é mesmo isto”.

 Já Emanuel Simões, treinador principal do Merelinense, destaca a etapa complementar da equipa que treina: “Uma vitória justa por aquilo que se fez na segunda parte. A partir do primeiro golo, fomos superiores, tivemos mais oportunidades, desconcentrámos o Montalegre. Essa foi a chave da vitória de hoje. Nós errámos menos, conseguimos aproveitar e ganhar o jogo.”

Por Nuno Carvalho

Menu