Hélder Silva bisa na Rampa de Santa Marta

O piloto do BRC BR53 foi o grande vencedor da prova organizada pelo Clube Automóvel da Régua na bonita região do Alto Douro Vinhateiro, dominando os dois dias desta quinta prova do Campeonato de Portugal de Montanha JC Group e tornando-se o primeiro piloto a alcançar duas vitórias numa época marcada pelo equilíbrio.

Sob uma temperatura excelente, muito embora com o tempo encoberto, típica da região do Alto Douro Vinhateiro, recebeu este segundo dia de prova nos 3,300 metros do serpenteante e exigente traçado do evento organizado pelo Clube Automóvel da Régua. Uma jornada onde o público acorreu em bom número, premiando o esforço feito pela agremiação duriense para levar a bom porto a prova, sendo de assinalar que o CAR ostentou um bom nível organizativo.
Em termos desportivos, este foi um fim-de-semana carregado de competição acesa e de emoções ao rubro.

Na luta pela glória absoluta, Hélder Silva, em BRC BR53, foi o grande vencedor desta 6ª edição da Rampa de Santa Marta. O piloto-preparador da Póvoa de Varzim voltou a ser o mais forte ao longo de praticamente todo o fim-de-semana, construindo aquele que é o seu segundo triunfo absoluto consecutivo nesta época de 2021 e o terceiro da sua carreira na montanha. Foi o mais forte na primeira subida oficial de prova, mas apanhou um susto na segunda subida, já na tarde de domingo, quando o galego César Alonso, num Osella PA 21 JRB, conseguiu ser o mais rápido, fazendo com que todos ficassem na expetativa para a terceira subida sobre quem seria o vencedor da prova.

Mas na derradeira e decisiva subida o piloto de Orense não foi feliz, já que, logo ao negociar a primeira curva, teve um problema mecânico no Osella, obrigando-o a desistir quando tentava tirar Hélder Silva do ‘trono’ desta Rampa de Santa Marta. O piloto do BRC BR53 limitou-se assim a ter uma subida final de consagração, saindo assim de terras do Douro Vinhateiro como grande candidato ao título absoluto no Campeonato de Portugal de Montanha JC Group 2021.

A segunda posição, a 0,5s de Silva, foi então para o galego de Ourense César Alonso, nesta sua segunda vinda ao campeonato de 2021 – após ter alinhado na Serra da Estrela. Quanto ao campeão em título, José Correia, num Osella PA 2000 Evo2 da JC Group Racing Team, teve uma prova regular, mas sem aquela rapidez a que já nos habituou. Por isso não passou da terceira posição da geral a 2,8 segundos do vencedor.

Na Divisão Protótipos B a decisão da vitoria foi uma questão quase de família, porque o duelo ao longo de todo o fim-de-semana foi entre António Rodrigues e Nuno Guimarães, os dois pilotos da NJ Racing. E se a ‘Bala do Douro’ – que estava a jogar em casa – ainda ficou na frente, ao ser o mais rápido na primeira subida oficial, no domingo Nuno Guimarães esteve claramente ao ataque e realizou a melhor exibição da época aos comandos do SilverCar S2.

O ‘Capitão da Montanha’ chegou ao triunfo indo para a última subida oficial apenas com 8 milésimas de vantagem sobre António Rodrigues. Este atacou a fundo, não apenas para vencer a Divisão Protótipos B pela quinta vez consecutiva, mas ainda para tentar chegar ao pódio absoluto. Um erro na parte mais técnica da rampa, fez o piloto de Santa Marta bater forte e ficar-se por aí, tendo de contentar-se com a segunda posição na Divisão e a quarta da classificação geral. Na terceira posição da Divisão ficou uma vez mais Joaquim Rino, que está cada vez mais rápido aos comandos do seu BRC BR49 EVO.

Nelson Andrade voltou a fazer mais do mesmo na Taça de Portugal de Kartcross de Montanha. O piloto de Porto Moniz contina a impor-se, mesmo quando a concorrência alarga em qualidade e quantidade, como foi o caso desta 6ª Rampa de Santa Marta.

O ‘Furacão da Madeira” e o seu AG 1000 foram sempre mais fortes e rodaram bem a salvo dos demais concorrentes dos kartcross, tendo terminado com 8,9 segundos de vantagem sobre o luso-brasileiro Márcio Araújo, também ele aos comandos de um AG 1000. Sendo que Nelson Andrade voltou a registar tempos bem dentro do top dez absoluto. O pódio dos Kartcross ficou completo com o galego Jesus Otero, num AG Sport com motor de apenas 600 cc, mas já a 25,5 segundos do primeiro.

Na categoria GT, o atual campeão em título, Vítor Pascoal, impôs pela segunda prova consecutiva o seu Porsche 991 GT3 Cup, face ao carro idêntico de Pedro Marques. Este, que tinha vencido as três primeiras provas da temporada, não teve uma presença facilitada em Santa Marta, já que um pião na primeira subida de prova na tarde de sábado, colocou o piloto sob pressão para as subidas de domingo. Aí, apesar de ter melhorado substancialmente a sua performance, nunca conseguiu rodar ao nível de Pascoal, que acabou por vencer com 9,7 segundos de vantagem, diminuindo assim a diferença pontual na tabela classificativa do campeonato.

Para Luís Nunes e para o seu Ford Fiesta ST R5 esta deslocação significou mais uma vitória.

O chamado ‘Foguete de Valpaços’ voltou a não dar veleidades aos adversários, quer na categoria Turismos quer na Divisão Turismos 1, construindo assim aquele que foi o quinto duplo triunfo consecutivo da temporada, estando claramente a caminho do título nacional da categoria e da vitória nesta divisão, onde se salienta a segunda posição de Daniela Marques, que na sua estreia na Rampa de Santa Marta revelou um excelente andamento aos comandos do Subaru Impreza WRX.

Luis Nunes

Na Divisão Turismo 2 nada a dizer à quinta vitória consecutiva de Joaquim Teixeira no Cupra TCR da JT 59 Racing Team/Bompiso.

O piloto transmontano apenas teve alguma oposição em algumas subidas de treinos, porque nas três subidas oficiais de prova impôs-se sempre, melhorando paulatinamente os seus tempos ao longo do fim-de-semana. Teixeira venceu com 1,8 segundos sobre um cada vez mais seguro Luís Silva, que no seu BMW M3 chegou a dar a entender que podia vir a triunfar. Terceira posição para o aniversariante Manuel Rocha e Sousa, que assim levou o seu Cupra TCR a um bom pódio nesta divisão. De destacar que Joaquim Teixeira e Luís Silva foram também segundo e terceiro da categoria de Turismos.

Mais do mesmo na Divisão Turismo 3.
Parcídio Summavielle e Sérgio Nogueira voltaram a protagonizar um duelo sem tréguas pela primazia. Os dois pilotos dos Renault Clio RS foram-se alternando na liderança dos tempos, mas no cômputo das três subidas de prova, se Nogueira foi o mais rápido no sábado, Parcídio «deu o litro» nas duas subidas de domingo e foi superior ao seu principal adversário. Com isso o piloto de Fafe somou a sua segunda vitória da temporada, suplantando Sérgio Nogueira por 1,7 segundos no somatório de todas as subidas. Que com este segundo lugar continua a liderar a tabela de pontos no campeonato. Destaque ainda para a presença de Carlos Silva no pódio, que foi assim monopolizado pelos pilotos dos Renault Clio RS.

No Campeonato Legends de Montanha os problemas mecânicos sentidos no primeiro dia arredaram da competição Manuel Pereira, que era o grande favorito aos comandos do Mitsubishi Lancer Evo VI.

E com tudo isto o líder do campeonato, José Carlos Magalhães, regressou da melhor forma aos comandos do BMW M3 Compact da MNE Sport, para selar o triunfo.
O que o coloca cada vez mais como o principal candidato a este título. Magalhães foi melhorando os seus tempos ao longo das três subidas de prova, e com isto impôs-se diante de um endiabrado Rui Meireles. O piloto de Peso da Régua, a estrear um Porsche 986, na sua primeira época, logrou ser segundo a apenas 9 décimas de segundo do vencedor. O pódio foi completado por Renato Piairo, que alinhou aos comandos de um Toyota Carina E e terminou já a 11,9 segundos de José Carlos Magalhães.

Flávio Saínhas não causou qualquer surpresa ao impor-se no Campeonato de Portugal de Clássicos de Montanha.

O ‘famoso diabo amarelo’, aos comandos do habitual Ford Escort MKI, dominou a seu belo prazer todas as subidas de prova dos dois dias de competição e selou assim mais um triunfo na sua vasta carreira. Depois dos problemas sentidos na primeira subida oficial de prova, Fernando Salgueiro recuperou da melhor forma este domingo, realizando dois bons tempos e garantiu assim a segunda posição, reforçando assim a sua liderança na tabela pontual do campeonato. O terceiro lugar foi para Luís Moutinho, que no Ford Escort MKI esteve sempre muito consistente, logrando o seu primeiro pódio da época.

Flávio Faínhas

Na Taça de Portugal de Clássicos de Montanha 1300 a história é fácil de contar, com um domínio avassalador de Eva Laranjeira, que nem precisou da terceira subida oficial de prova para arrumar a questão de mais uma vitória. A quarta consecutiva da piloto do Peugeot 205 Rallye da MNE Sport.

Eva foi demasiado forte para a concorrência, e logo após as duas primeiras subidas oficiais tinha mais de 20 segundos de vantagem sobre o seu mais direto adversário, José Pedro Figueiredo, que não teve dificuldades em assegurar a segunda posição aos comandos do seu Datsun 1200, enquanto Domingos Fernandes fez jus à sua regularidade conseguindo mais um pódio ao volante do Autobianchi A112 Abarth.

O Campeonato de Portugal de Montanha JC Group ruma agora novamente ao centro de Portugal para assentar arraiais na Rama do caramulo. Sob a batuta do Targa Clube, a sexta prova da temporada está aprazada para os dias 24 e 25 de Julho.

Menu