Glórias do passado: Luís Filipe, subiu com o Belenenses

Falar em Luís Filipe para quem vivenciou alguns dos momentos mais expressivos da história futebolística do Benfica e Castelo Branco, nos finais da década de 80 e na primeira metade da de 1990, é trazer à memória um esquerdino de fino recorte técnico pendular nas suas ações, daqueles que gostava de assumir o jogo. Foi unidade nuclear na subida dos encarnados à 2ª Liga, com Miguel Quaresma em posteriormente, o saudoso Félix Mourinho.

Foi atleta da 1ª Liga no Belenenses. Subiu à divisão principal com os azuis e com o Farense, onde jogou com Quaresma e Quim Manuel, que viria depois a reencontrar em Castelo Branco. Produto do futebol de formação da margem, sul, nomeadamente do Barreirense é segundo dados da plataforma zerozero,pt o 16º jogador que mais vezes envergou a camisola do BC Branco: fê-lo 94 vezes em partidas oficiais, Curiosamente, são dois ex-colegas no Vale do Romeiro (Miguel Vaz e Ricardo António) os que mais vezes jogaram de águia beirã ao peito. Luís Flipe aos 56 anos vive tranquilamente na sua região natal. O futebol deixou de ser há muito o seu ganha-pão.

  • Há quanto tempo Luís! O que é feito de si?
    . Desde que deixei o futebol, depois de uma experiências distritais como treinador, que trabalha na Câmara de Palmela.
  • Foram cinco anos em Castelo Bramo e no BCB. Bons tempos?
  • Muitos bons! Castelo Branco é una cidade maravilhosa. Ficou no coração de toda a família da minha esposa e das minhas filhas. Adorámos viver aí! Construi amizades para a vida e um afilhado, o Zarro.
  • Como surge no BC Branco, em 89/90?
  • Fui por indicação do amigo Miguel Quaresma, que jogou comigo no Belenenses e que tinha acabado de subir o BC Branco à 2ª divisão. Ele e o falecido dirigente Jorge Martins convenceram-me com o projeto do clube.
  • Está logo na subida à 2ª Liga…
  • Sim, Tínhamos uma boa equipa e o objetivo era ficar no primeiro terço da tabela, porque sabíamos que no ano seguinte iria ser criada a 2ª Liga do futebol profissional. Na altura Divisão de Honra.
  • Em 90/91 o BC Branco surpreende o país com uma magnífica equipa. E muito jovem?
  • Grande equipa. Humilde, aguerrida e com muita qualidade, E com um grande comandante: Bernardino Pedroto. Curiosamente, na pré-época não conseguimos ganhar jogo nenhum. Levantaram-se muitas dúvidas. Começou o campeonato e fomos vencer (1-0, golo de Dito) ao Varzim. Embalamos para uma grande temporada.
  • Em Castelo Branco aquela parte final que comprometeu a subida à 1ª Liga ainda hoje está ´atravessada´. Foi futebol?
  • Sim foi futebol! Houve dois jogos marcantes. A derrota em casa com o Leixões (0-2) e na semana seguinte o desaire, totalmente inesperado, em Vila Real de Santo António (1-0), com o último classificado. A equipa sentiu muito esse resultado e não conseguiu reagir. Era um campeonato muito forte e o BC Branco cedeu num momento crucial. Mas fez um grande campeonato.
  • Teve vários treinadores em Castelo Branco. Qual foi o que mais o marcou?
  • Não foi só um que me marcou, mas claramente o melhor foi Bernardino Pedroto.
  • E pela negativa?
  • António Fidalgo.
  • Recorda-se já numa época seguinte daquela invasão do campo num jogo com o Ovarense?
  • Lembro-me, perfeitamente. O público a entrar em campo, o árbitro (Adão Mendes) a fugir e a não evitar uns…abraços.
  • Em 94/95 faz a última época no BC Branco e assina pelo Montijo. Estava aí a despontar um menino na baliza…
  • A última época em Castelo Branco foi com Pedro Gomes. Uma época tranquila na 2ª divisão. Sim, cruzo-me com o Ricardo, que viria a brilhar no Euro 2004. O ´Labreca´ fez uma grande época no Montijo. Um amigo.
  • Está afastado do futebol? Em 2018/19 aparece como técnico dos juniores do Barreirense…
  • Após ter terminado a carreira de futebolista (99/2000, Marítimo Rosarense), treinei equipas da divisão principal da AF Setúbal. Sete ou oito anos. E acabei por deixar o futebol. Sim, como diz, surgi como treinador dos juniores do Barreirense, mas só na ´ficha´. O treinador era o meu genro, João Nuno, que ainda não tinha terminado o curso Vai ser adjunto do Tiago Fernandes no Leixões, em 2020/21.
  • Legenda da foto:

EM CIMA: CHICO LOPES; PERES; RUI MELO; DITO; VÍTOR ALVES; CÉSAR VAZ

EM BAIXO: LUÍS FILIPE; RUSSIANO; CRAVEIRO; QUIM MANUEL; AMADEU

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu