Futebol Distrital – Que Futuro?

A Pandemia veio “matar” o futebol distrital, os clubes não têm receitas, os apoios vão desaparecendo porque essas entidades estão em dificuldades também, as câmaras canalizam a maioria das verbas para outros assuntos.

Sempre que me lembro do futebol distrital, principalmente em momentos de dificuldade, vem-me à cabeça uma célebre frase do Kennedy: “Não perguntes o que a América pode fazer por ti, pergunta antes o que podes fazer pela América”. Acho que é tempo de cada um pensar no que pode fazer pelo futebol distrital. É tempo dos adeptos tentarem ajudar os clubes, é tempo de fazermos entender os clubes que a aposta tem de passar mais pelo futebol de formação (que depois serão a base dos clubes), é tempo das vilas, concelhos e aldeias se unirem aos clubes, é tempo de cada sócio pagar as suas cotas, etc.

Todos podemos fazer algo pelo clube da nossa terra ou pelo clube que representamos e serão essa soma de esforços que farão o futebol distrital manter-se, pelo menos no seu estado mais puro, o futebol do povo, onde nos sentimos uteis e importantes.

As Associações, a FPF e o Governo têm de ajudar muito os clubes: reduzam as taxas de inscrição aos clubes, o governo tem de parar de cobrar as taxas de policiamento aos jogos (mesmo na formação), porque isso até devia ser um serviço prestado à sociedade e que custa semanalmente muito dinheiro aos clubes (principalmente aos que têm futebol de formação). Ajudem os clubes com dinheiro, porque só com dinheiro as coisas andam para a frente.

Os clubes não irão sobreviver a esta catástrofe, alguns correm o risco de acabar, é tempo das pessoas competentes se sentarem à mesa e falarem sobre isto atempadamente, antes que seja tarde.

Diogo Castela (Treinador de futebol)

Menu