Fase de Campeão da AFVR

Ainda não sabemos bem quando o Campeonato da Divisão de Honra da AF Vila Real voltará, mas sinto-me na obrigação de fazer algumas considerações acerca da 1ª fase da época, fazer uma análise ao que podemos esperar na fase final e até apontar previsões para o desfecho da prova.

Dizer que várias condicionantes podem condicionar todas estas análises: podem haver mudanças nos planteis, podem haver infetados, podem haver jogadores e equipas que não se estão a preparar do ponto de vista físico e mental, outras estão a preparar-se a sério, quando os treinos voltarem nunca sabemos se haverão lesões ou não nem como será a preparação de tudo. No entanto, esta época já tem sido bastante atípica, temos um desinvestimento muito grande nesta distrital (que já vem a cair desde a época passada), o campeonato tem cada vez menos qualidade e por isso tem sido tão competitivo, está nivelado por baixo. As épocas 16/17, 17/18 e 19/20 foram as mais “caras” dos últimos 20 anos e aquelas onde houve mais qualidade na AFVR, a época passada já tivemos uma certa baixa qualitativa no campeonato.

A primeira fase na minha opinião só teve uma surpresa, a não passagem do Atei e a passagem do Ribeira de Pena. O Atei manteve a maior parte da equipa da época passada e ainda trouxe jogadores com grande qualidade, o Ribeira de Pena com uma equipa mais jovem e menos experiente conseguiu a passagem com todo o mérito. No resto, tudo foi natural, todos os que passaram tiveram 14 pontos nesta Série B.

Na Série A, Régua e Santa Marta rapidamente mostraram ao que vinham e mostraram que eram melhores, Sabrosa com um campeonato condizente com a sua equipa, sendo que cabia a Valpaços, Abambres e Cumieira a luta por um lugar, pelo menos no plano teórico, e assim se sucedeu, com maior e menor justiça, no futebol são os golos marcados e sofridos que contam.

Prevejo uma luta a 3 nesta fase final (Régua, Vilar Perdizes e Cerva), por vários motivos: o Vilar Perdizes é a equipa mais “profissional” do campeonato, tem jogadores estrangeiros e alguns deles com créditos, juntando-lhe bons jogadores muito experientes nesta distrital, como estes que vieram para o último jogo: Rafa (atual melhor marcador do campeonato) e Francisco Delgado. O Cerva tem a equipa mais experiente desta distrital e basta olhar para os mais utilizados para perceber que conta com vários ex-campeões desta AFVR. O Régua pelo peso histórico que tem e pelo plantel que tem será um candidato claro ao título, sendo que conta com algumas individualidades que teriam lugar noutro campeonato, no entanto não vai poder contar o apoio dos seus adeptos (claramente a equipa que leva mais adeptos fora e em casa e onde o bairrismo impera em dia de jogo), relativamente às outras equipas deste campeonato.

O Vila Pouca e o Santa Marta têm ambos bons 11s e boas individualidades, mas com algumas lacunas e com poucas opções válidas para fazer a diferença vindas do banco. Correrão “por fora”, mas serão equipas a ter em conta, principalmente o Santa Marta, pelos vários jogadores experientes que tem, pela sua forma de jogar e por contar com o treinador com mais jogos neste campeonato, Justino Ribeiro.

Ribeira de Pena, Abambres e Sabrosa terão com objetivo principal fazer o máximo de pontos possível, sendo que o principal objetivo de cada um está conseguido: ir à fase final. São equipas que podem fazer uso do fator casa para amealhar pontos para a sua luta.

Outra nota prende-se com os treinadores: nenhum ainda foi campeão nesta distrital como treinador principal, nos momentos de pressão isso faz a diferença e numa prova que promete ser tão curta.

Estarão 42 pontos em disputa nesta fase final, acredito que 33-34 chegarão para o campeão dado o equilíbrio, sendo que acho que quem perder pontos em casa terá problemas, creio que perder pontos nos jogos com Sabrosa, Abambres e Ribeira de Pena também terá dificuldades em sagrar-se campeão.

Qualquer equipa que consiga nesta janela de contratações trazer 2-3 reforços de qualidade superior estará um passo à frente de todos. Quem também se preparou durante o confinamento estará mais próximo de entrar a ganhar.

Na qualidade de adepto deixo alguns desejos: que venha de lá o público aos estádios que tanto faz vibrar os jogos, que não hajam casos com nenhuma equipa nem nenhum familiar de ninguém, que se jogue mais futebol dentro do campo do que fora dele.

Deixo o repto à associação: tragam árbitros do nacional, são os melhores e mais aptos para estes jogos de “mata-mata”.

Bola na Frente!!

Diogo Castela (Treinador de futebol)

Menu