CP (Série A): Vidago-Vianense, 1-3 (crónica)

Quem com ferros mata, com ferros morre


Dia de muita chuva e jogo vespertino que “obrigou” a equipa do Alto Minho a pernoitar em Vidago, evitando algum desgaste na deslocação da sua equipa no dia do jogo.

Talvez inspirados pelos ares desta região do Alto Tâmega, a equipa do SC Vianense entrou muito forte, pressionante e a trocar muito bem a bola, causando dificuldades ao último reduto dos homens da casa, os quais tentavam sacudir um pouco a pressão, chegando, a espaços, ao último reduto dos forasteiros, nessas raras aproximações foram criando algum “frisson”.

Numa dessas chegadas ao reduto contrário, aos 40’ e após a execução de um pontapé de canto, o Vidago chega ao golo inaugural. Canto executado por Gabi, e surge Diego Parini na pequena área a cabecear para o fundo das redes de Beto. Motivados pelo golo, os da casa, logo no minuto seguinte, permitiram que Elias se isola-se, mas o guardião contrário com uma boa intervenção evitou o golo.

A equipa que viajou de Viana de Castelo, tentou ainda anular a vantagem Vidaguense e nos descontos, por duas ocasiões, poderia ter chegado ao golo. Primeiro na execução do um livre indireto é Tiago Guedes que com uma excelente intervenção tira a bola da cabeça de Marcelo Faria, quando este já se preparava para cabecear para dentro das redes. Na execução do canto, novamente o guardião da casa a defender após excelente cabeceamento de Óscar Sá.

Chegava-se assim ao intervalo, com a vantagem dos da casa, que melhor soube aproveitar uma bola parada, o Vianense mais acutilante e mandão, não conseguiu materializar o seu domínio.

A segunda parte começa muito ativa, e ambas as equipas poderiam ter chegado ao golo logo nos minutos iniciais, com duas excelentes oportunidades. O Vidago começou a pressionar mais alto e conseguiu impor o seu jogo, muito diferente de uma atitude mais passiva do primeiro tempo. Conseguindo jogar no meio campo adversário e mais perto da baliza de Beto.

Aos 61’ dupla oportunidade de golo para o Vidago, primeiro remate muito perigoso de Elias, que o guardião contrário defende, ressaltando num defesa contrário e encaminhando-se para a baliza, no entanto, Beto fez uma defesa extraordinária, evitando assim o segundo golo com a defesa da tarde.

A bola ainda estava “viva” e no seguimento da jogada, Elias é lançado na esquerda onde surge isolado e acruzar para Adão que introduz a bola na baliza, festejavam os jogadores da casa, mas o auxiliar de Luís Azevedo assinalou fora de jogo, de nada valeram os muitos protestos dos homens da casa.

O veneno que o Vidago usou no primeiro tempo, foi a mesma receita usada pelo Vianense nesta segunda parte, quando os homens da Vila Termal se encontravam por cima do jogo, o Vianense chega ao golo. Perda de bola a meio campo dos anfitriões, deixa a equipa em contrapé e origina um lance perigoso pela direita com um cruzamento rasteiro para a pequena área onde surge Lucas Silva de carrinho a encostar para o empate.

O Vidago sentiu um pouco o golo e volvidos quatro minutos, numa bola bombeada para a área Vidaguense, um defensor da casa inadvertidamente coloca a bola no avançado contrário que só teve de escolher o lado da baliza. Lucas Silva bisava no encontro, uma cartada com extremo sucesso saída do banco.

Os homens comandados por Vítor Gamito, tentaram reagir chegando à igualdade, mas a dualidade de critérios do árbitro da partida deixava os da casa nervosos, e num desses lances, numa falta muito discutida pelos jogadores do Vidago, prontamente marcada pelos Vianenses, deixando os da casa parados, permitiu que Rodrigo Vieira surgisse isolado com Tiago Guedes e sem dificuldades dilatasse a vantagem.

Assistiu-se assim a um bom jogo de futebol, muito combativo num terreno muito difícil dada a imensa chuva que foi caindo durante o desafio, e quando as equipa se encontravam em maiores dificuldades no encontro é que conseguiram obter os golos. Aceita-se assim o resultado porque os forasteiros foram mais eficazes, por sua vez o Vidago poderia ter “matado” o jogo por duas ocasiões e não o conseguiu.

Texto e Foto: Manuel Portelinha

VIDAGO-VIANENSE, 1-3

Vidago: Tiago Guedes; Diamantino (Jorginho, 80); Nuno Abreu; Pedro Miguel; Fábio Pais; Diego Parini (Principe, 80); Afonso (Nonso, 60); Gabi (Luís Borges, 60); Jony; Elias e Adão.

Treinador: Vítor Gamito

Vianense: Beto; Diogo Gonçalves (Mailó Cruz, 90+4); Diogo Brito; Óscar Sá, Marcelo Faria; Zé Nando (Rodrigo Vieira, 45); Tiago Carvalho (Lucas Silva, 45); Fábio Sequeira; Leandro (Nuno Rego, 90+3); Cristiano e Diogo Correia.

Treinador: Miguel Mota

Local: Estádio João de Oliveira – Vidago

Árbitro: Luís Azevedo (AF Bragança)

Ação disciplinar: cartão amarelo para Diego Parini (58); Jony (80 e 90+3); Rodrigo Vieira (90) e Jorginho (90+1). Cartão vermelho (acumulação amarelos) para Jony.

Ao intervalo: 1-0

Golos: 1-0 Diego Parini (40); 1-1 Lucas Silva (70); 1-2 Lucas Silva (74); 1-3 Rodrigo Vieira (90).

Menu