CP (Série A): Vidago-Cerveira, 4-1 (crónica)

Bom jogo de futebol decidido pela eficácia ofensiva

Numa manhã gélida, retomava-se o futebol no João de Oliveira, com as equipas a entrarem em campo com uma boa predisposição de praticar um futebol atrativo. A procura das balizas foi bem evidente desde o apito inicial, contudo era a equipa que viajou de Vila Nova de Cerveira que entrou mais dominadora, e a jogar mais no meio campo ofensivo.

Apesar desta iniciativa da equipa forasteira, era o Vidago que conseguia aproximar-se com mais perigo da baliza adversária, primeiro foi Adão que servido da esquerda embrulha-se com o guardião contrário e não consegue finalizar, depois foi aos 11’ que o Vidago tem nova chegada à baliza adversária e inaugura o marcador. Através da execução de um pontapé de canto Miguel Sousa surge sozinho no segundo poste, onde cabeceia para a baliza e o guardião Bissoliti apenas consegue defender para a barra, ficando o esférico a mercê de Elias, que só teve de encostar para o fundo da baliza.

O Cerveira parece não ter sentido o golo e continuou a praticar um bom futebol e volvidos 3 minutos chega ao empate,. Mau alívio da defensiva Vidaguense, a bola chega a Diegues, que dentro da área coloca a bola no lado contrário da baliza de Tiago Guedes, que ficou sem reação.

O jogo continuava muito vivo, sempre com muita dinâmica de ambas as equipas e aos 23’ após uma perda de bola infantil da equipa do Cerveira, que queria sair a jogar após um pontapé de baliza, foram desarmados pelos dianteiros Viaguenses, que prontamente colocam a bola nos pés de Gabi, que de fora da área faz um golo de levantar o estádio (que infelizmente continua sem adeptos).

A partir do segundo golo, os forasteiros começaram a ter mais dificuldades e apenas uma vez importunaram a baliza de Tiago Guedes, aquando da marcação de um livre direto obrigando o guardião da casa a excelente intervenção.

O Vidago começou a ter as rédeas do jogo e aos 43’, após um canto muito bem trabalhado pela esquerda, a bola é cruzada para a área onde o guarda-redes brasileiro não consegue desviar a bola para longe a aparece ao segundo poste Pedro Miguel a dilatar a vantagem.

Chegava-se assim ao intervalo, com a equipa que viajou do Alto Minho, a entrar melhor no jogo, mas foi o Vidago que conseguiu aproveitar melhor as oportunidades que criou, conseguindo depois com o decorrer do jogo terminar por cima do mesmo.

O treinador Rui Carvalhal mexeu em duas peças ao intervalo, e a equipa entrou muito forte, a pressionar muito alto e a criar muitos apuros aos comandados, neste jogo, por Bruno Castelo, mas apesar de algumas oportunidades a equipa do Cerveira não conseguiu ser eficaz e reduzir o marcador.

O Vidago sentia dificuldades, mas sempre que conseguia sair desta pressão, colocava em alerta os defensores contrários com transições muito rápidas e perigosas.

Aos 73’ num desses lances, Adão lança o velocista Elias, que numa excelente jogada individual, tira o opositor contrário da frente e remata para o fundo da baliza de Bissoliti, estava feito o golo que daria outra tranquilidade aos homens da casa.

Alguns minutos depois terminava o desafio com um resultado algo dilatado para o que se passou no terreno de jogo, mas com uma vitória justa e muito saborosa para a equipa da Vila Termal, já que permitiu ultrapassar o seu opositor na tabela classificativa e sair da zona de despromoção.

Texto e foto: Manuel Portelinha

VIDAGO-CERVEIRA, 4-1

Vidago: Tiago Guedes; Tunes (Afonso, 70); Pedro Miguel; Abreu; Miguel Sousa; Gabi; Joni (Pedro Guedes, 90+2); Principe (Jorginho, 70); Adão (Nuno Miguel, 82); Diego e Elias.

Treinador: Bruno Castelo

Cerveira: Bissoloti; Diogo Carvalho (Diogo Novo, 45); Carrilho; Diegues (Robinho, 90); Trindade; Rui Luís (Leo, 45); Derley; Xina; Santa Marta; Baltazar (N`Dre, 71) e Costa.

Treinador: Rui Carvalhal

Local: Estádio João de Oliveira – Vidago

Árbitro: Tiago Sá (AF Porto))

Ação disciplinar: cartão amarelo para Miguel Sousa (40); Trindade (60); N`Dre, 88). Cartão vermelho (direto) para Costa (90+3).

Ao intervalo: 2-0

Golos: 1-0 Elias (11); 1-1 Diegues (14); 2-1 Gabi (23); 3-1 Pedro Miguel (43); 4-1 Elias (73).

Menu