CP (Série A): Montalegre-Vilaverdense, 2-2 (crónica)

Do céu ao inferno. CDC Montalegre permite empate depois de estar a vencer por 2-0 e em superioridade numérica.

Este duelo teve duas partes distantes. Na primeira, Montalegre dominador e a jogar um futebol total. Depois, na etapa complementar, os transmontanos surgem apáticos, convencidos que o resultado estava adquirido. Entra melhor na contenda a equipa da casa, com boa circulação de bola e a chegar com perigo à baliza minhota. Depois de duas ameaças, Vilmar abre o marcador logo à passagem do minuto oito. O Vilaverdense dava espaços e a pressão era iníqua.

Só de bola parada é que os minhotos chegavam à baliza de Jeimes – ao minuto 25, Rui Faria, de livre direto, obriga Jeimes a grande intervenção. Depois, Rafa Miranda, capitão do Vilaverdense e melhor em campo, dispara ao lado. Tentava equilibrar a contenda a equipa da A.F.Braga.

Sem êxito – nos corredores laterais, Samate e Miguel Ângelo continuavam muito ativos e o primeiro faz cruzamento perfeito para conclusão perfeita de Vilmar. O brasileiro bisa e antes do intervalo está perto do hat-trick… Ao intervalo 2-0.

Na etapa complementar tudo mudou. O Vilaverdense defendeu melhor, conseguiu recuperar mais bolas e não deixou o Montalegre jogar.

Rafa Miranda comandava o ataque ao castelo Montalegrense e desperdiça grande penalidade no dealbar da etapa complementar – o pé de apoio escorregou e a bola saiu por cima. Depois do susto, Luan cabeceia ao ferro da baliza do Vilaverdense. Rafa Miranda redime-se e assiste João Marna que reduz para 2-1.

Grande contratempo para o Vilaverdense – aos 70, Rui Faria é expulso por entrada dura sobre Angola. Mesmo com dez homens, Rafa Miranda, o faz tudo, faz o golo do empate, depois da bola sobrar da barra.

Animados com o golo, João Marna, ex-Braga B, atira por cima. A seguir, num lance rápido, e em superioridade de 5×2, o Vila não consegue chegar ao terceiro.

No período de compensação, Angola está perto do golo da vitória para o Montalegre, com remates por cima e ao lado.

O 2-2 castiga o adormecimento barrosão na etapa complementar. Vilmar foi o melhor do Montalegre e Rafa Miranda, o 7 do Vilaverdense, o melhor em campo, apesar de ainda ter falhado uma grande penalidade.

Resultado justo, com uma arbitragem sem casos de monta.

O treinador do Montalegre, José ManuelViage, não marcou presença por estar em isolamento profilático. Rúben Santos, o adjunto, foi o espelho da desilusão: “Entrámos muito bem no jogo e conseguimos fazer dois golos de grande qualidade. Na segunda parte, o Vilaverdense queria virar o jogo e nós começámos a baixar as linhas, a deixar os setores mais afastados e a deixar o adversário crescer. Expusemo-nos um bocadinho ao golo…”

Já o técnico do Vilverdense, Hélder Baptista, diz que “a sua equipa não esteve bem na primeira parte – a equipa apresentou-se desgarrada, desconcentrada, desunida. Demonstrámos demasiado respeito pelo Montalegre e não mantivemos a nossa agressividade no espaço e no portador da bola. Alteramos na segunda parte, conseguimos chegar ao empate e tivemos as melhores situações para ganhar, com menos um elemento…”

Texto: Nuno Carvalho

MONTALEGRE-VILAVERDENSE, 2-2

Montalegre: Jeimes; Tiago Oliveira; Vítor Alves; Adílson Vaz (Mateus 75); Xavi; Luan; Lio Guerra; Rúben Neves (Renato 80); Miguel Ângelo (Zangão 75); Samate (Angola 63) e Vilmar (Bah 75).

Treinador: Rúben Santos

Vilaverdense: Paulinho; Diogo Santos; Rui Faria; Armando Lopes; Stephen Payne (Miguel Dias 62); Saidu Musa; Eduardo Barros (Tiago Vilela 62), Rafa Miranda ©; Hugo Alves (Kaito Anzal 84); João Marna e Johan N´Zi (André Raymond 90+6).

Treinador: Hélder Baptista

Local: Estádio Dr. Diogo Vaz Pereira, em Montalegre.

Árbitro: João Carvalho (AF Porto).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Stephen Payne (35), Jeimes (50), Hugo Alves (66). Cartão vermelho para Rui Faria (70).

Ao intervalo: 2-0

Golos: 1-0 Vilmar (8); 2-0 Vilmar (28); 2-1 João Marna (61); 2-2 Rafa Miranda (81).

Menu