Competitividade

A necessidade de melhorar a competitividade interna da nossa Liga é (mais) um daqueles debates cíclicos e intemporais do nosso futebol, mas também, como é habitual, quase nunca suportado em parâmetros concretos e quantificáveis que originem, a sugestão de melhorias efetivas com vista a tal imperioso salto de progressão.

A época prestes a terminar trouxe-nos a novidade da criação de um play-off entre o antepenúltimo classificado da Liga Nos e o terceiro colocado na Liga Portugal Sabseg, um modelo já contemplado para próxima temporada, entre os clubes da segunda competição profissional e da recém-nascida Liga 3.
Apesar da inclusão de esta nova vaga de acesso à Liga Nos ter sido interpretada como uma medida de agrado e preocupação exclusiva com o segundo escalão, o horizonte de incremento de interesse a competitividade na Liga Nos esteve sempre presente aquando da avaliação e aprovação desta alteração.

Não vivêssemos nós na era de discussão do futebol do microframe e talvez encontrássemos algum destaque para o facto de com apenas 9 pontos em disputa, todas as equipas se encontrarem ainda a lutar por um qualquer objetivo, facto que nas oito primeiras ligas do ranking da UEFA só encontra paralelismo na competição dos nossos vizinhos espanhóis.

Um dado concreto que reflete o aumento de competitividade desta edição da Liga Nos e um pormenor fundamental para que não tenhamos assistido este ano por exemplo, aos já tristes, mas habituais suspiros e insinuações de final de época sobre falta de empenho de equipas que têm já as suas classificações e metas definidas.

Orlando Fernandes (Jornalista)

Menu