Campeonato de Portugal: a análise às equipas transmontanas na 13ª jornada

Em sábado de reflexão e domingo de eleições presidenciais as ‘nossas’ equipas não pararam. Com as condições climatéricas a não contribuírem em nada para a prática e para o espetáculo, houve equipas que deram uma boa resposta.

Série A

Pedras Salgadas – Vimioso, 1-0

O Pedras Salgadas tinha um jogo de mata-mata pela frente. Só um resultado interessava, para continuar a lutar contra a despromoção. Tinha pela frente o Águias de Vimioso, equipa que subiu esta época, mas que se encontrava na última posição. A entrada forte na partida resultou em um golo madrugador, o único golo da partida, mas suficiente para garantir os 3 pontos. Com a derrota do Cerveira e do Vilaverdense a equipa termal aproximou-se e com isto aumentou a distância pontual sobre o Bragança, equipa que irá visitar na próxima jornada, e será um jogo decisivo para ambas nas contas finais.

Vidago – Bragança, 1-1

O Vidago, teve um jogo complicado com o Bragança em sua casa. Somou apenas um ponto. Os golos apareceram apenas na segunda parte, tendo o Vidago que correr atrás do prejuízo, pois contra a corrente do jogo sofre um golo no início da segunda parte. Gabi marcou o golo da igualdade, a dez minutos do final, o que por sua vez acaba por ser um resultado inglório, pois a turma de Vítor Gamito merecia mais. Este resultado mantém o Vidago numa posição confortável na tabela.

Mirandela – Montalegre, 2-1

O Montalegre, que vinha de duas vitórias sobre Vidago e Pedras Salgadas, deslocou-se ao nordeste transmontano para defrontar a equipa do Mirandela. A formação barrosã não entrou bem na partida e aos 22 minutos já perdia por duas bolas a zero, não conseguindo contrariar o pragmatismo da equipa da casa. Com um futebol mais objetivo, mais físico e direto, o Mirandela apanhou-se a ganhar muito cedo, e com a vantagem por dois golos, foi para o intervalo a vencer, com os comandados de José Manuel Viage a não conseguiram chegar ao golo apesar do ascendente na partida. Numa segunda parte de sentido único, o Montalegre chega ao golo ao minuto 51, por Vilmar. Passados poucos minutos é expulso um homem do Mirandela, e aí a equipa de Rui Borges uniu-se, cerrou fileiras e guardou os três pontos não deixando que a equipa do Montalegre, apesar do domínio da posse de bola, da pressão alta e circulação alta chegasse ao empate, que acabaria por ser o resultado mais justo face ao jogo. Desta forma o Mirandela aproximou-se do Montalegre, que apesar da derrota, em nada, no meu ponto de vista, irá afetar a turma do Barroso, pois está a fazer um campeonato formidável.

Série B

Mondinense – Felgueiras, 0-2

Mondinense continua infelizmente a sua travessia no deserto. Sem qualquer ponto somado, os ‘homens de basto’ não conseguiram contrariar o favoritismo dos comandados de Rui Ferreira, técnico que ainda não conhece o sabor da derrota para o campeonato desde que assumiu o Felgueiras. O Mondinense aguentou como pode o nulo até ao intervalo, mas na segunda parte, a dinâmica de vitória, e a capacidade e experiência da equipa do Felgueiras conseguiu materializar em 2 golos a sua superioridade evidenciada ao longo da partida. Uma palavra para o Mondinense, que nas suas fileiras apresenta jovens da ‘terra’ e que ano após ano, vão deixando de ser promessas para serem certezas no que à sua qualidade diz respeito no nosso distrito. Casos de Brizida, Arada e Tiago Pereira.

Série C

Gondomar SC 1 – 1 SC Vila Real

Este jogo por tudo aquilo que antecedeu a partida, antevia-se muito difícil para os ‘lobos do Marão’. A saída do seu treinador em rota de colisão com a direção do SC Vila Real, deixava uma pergunta no ar, ‘como iria a equipa apresentar-se em Gondomar?’ O Gondomar vinha de 3 vitórias seguidas, sendo a última em casa do histórico Salgueiros.

Os atletas do SC Vila Real deram um resposta capaz, à imagem daquilo que são feitos. Profissionalismo, dedicação, compromisso e muito empenho. Abalados pela saída do seu líder, foram a jogo, num campo diga-se impraticável e que colocava em risco a integridade física dos atletas das duas equipas. Estiveram a perder no primeiro tempo, com um golo de um velho conhecido. Baba Zakari.

Na segunda parte os alvinegros nunca baixaram os braços, e viram os seus intentos serem recompensados, com a conversão de uma grande penalidade por Zé Pedro Gregório a 5 minutos do final da partida.

Uma palavra para o SC Vila Real e seus jogadores, que com este empate mantêm viva a manutenção, com menos dois jogos por disputar que o Coimbrões, o seu adversário imediatamente a seguir na tabela, no que a luta pela despromoção diz respeito.

Por Paulo Ferreira (Treinador de futebol)

Menu