Atividade Física e Comportamento Sedentário

Se na semana passada terminei o artigo mostrando preocupação de que nesta pandemia e, principalmente após esta, outra tão ou mais perigosa poderia estar a caminho, a PANDEMIA da INATIVIDADE FÍSICA, início este artigo exatamente com esta temática, ainda para mais depois de ter conhecimento do documento da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O documento que tive oportunidade de ler, é uma versão portuguesa, que resulta da tradução realizada pelo Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física da Direção Geral de Saúde. Como mensagens principais no citado documento aparece o seguinte:

1 – A atividade física é boa para o coração, o corpo e a mente – A atividade física regular pode prevenir e ajudar a controlar doenças cardíacas, a diabetes tipo 2 e o cancro, que causam quase três quartos das mortes em todo o mundo. A atividade física também pode reduzir os sintomas de depressão e ansiedade e melhorar o funcionamento cognitivo, a aprendizagem e o bem-estar em geral.  

2 – Qualquer quantidade de atividade física é melhor do que nenhuma, e quanto mais melhor – Para a saúde e bem-estar, a OMS recomenda pelo menos 150 a 300 minutos por semana de atividade física aeróbia de intensidade moderada (ou atividade física vigorosa equivalente) para os adultos, e uma média de 60 minutos por dia de atividade física moderada para crianças e adolescentes.

3 – Toda a atividade física conta – A atividade física pode ser realizada como parte integrante do trabalho, desporto e lazer ou transporte (caminhar, patinar e pedalar), bem como de tarefas diárias e domésticas.

4 – O fortalecimento muscular beneficia toda as pessoas – Idosos (65 anos ou mais) devem adicionar atividades físicas que promovam o equilíbrio e a coordenação, bem como o fortalecimento muscular, para ajudar na prevenção de quedas e na melhoria da saúde.

5 – Demasiado comportamento sedentário pode ser prejudicial à saúde – Pode aumentar o risco de doenças cardíacas, cancro, e diabetes tipo 2. Limitar o tempo em comportamento sedentário e ser fisicamente ativo é bom para a saúde.

6 – Todas as pessoas podem beneficiar com o aumento da atividade física e redução do comportamento sedentário, incluindo mulheres grávidas e no pós-parto e pessoas com doenças crónicas e deficiências.

Quatro a cinco milhões de mortes por ano poderiam ser evitadas se a população global fosse mais fisicamente ativa. Estas recomendações globais permitem que os países desenvolvam políticas nacionais de saúde baseadas em evidências e apoiem a implementação do Plano de Ação Global da OMS para a atividade física 2018-2030”.

Aí, podemos ver de forma mais ou menos exaustiva, alguns conselhos e recomendações práticos para determinados escalões etários e as especificidades das preocupações de cada uma dessas populações, nomeadamente para as crianças e adolescentes (5/17 anos), adultos (18/64 anos), idosos (65 ou mais anos), mulheres grávidas e no pós-parto, adultos e idosos com doenças crónicas, crianças e adolescentes com deficiência (5/17 anos) e adultos com deficiência (18 ou mais anos).

Quem quiser consultar o documento na íntegra, poderá fazê-lo aqui: https://www.dgs.pt/programa-nacional-para-a-promocao-da-atvidade-fisica/ficheiros-externos-pnpaf/traducaopt_guidelinesoms20201.aspx

Quem tem tido um comportamento tudo menos sedentário, são os membros da equipa de Andebol do FC Porto!  Depois da maioria dos seus atletas terem estado a representar Portugal no último Campeonato do Mundo, recordo que na última semana esta equipa teve o seguinte programa competitivo: Quinta-feira, 4 de fevereiro, jogou às 19:45 no Dragão Arena frente ao campeão europeu de 2019, os macedónios do HC Vardar, vencendo por 27/24. Três dias depois, ou seja, no domingo, 7 de fevereiro, curta viagem até Braga para defrontar e derrotar o ABC por 33/22. Dois dias depois, dia 9 de fevereiro, viagem, num inabitual no Andebol, voo charter para a cidade polaca de Kielce para defrontar a equipa local às 17:45. Aí, depois de uma pouco conseguida primeira parte e com o empate ao alcance nos segundos finais, acabou perdendo por 32/30. Na manhã seguinte nova viagem, até à Hungria, onde treinou nessa tarde e exatamente 48 horas depois, defrontou o Pick Szeged e novamente com uma entrada “em falso” o FC Porto viu-se mais uma vez derrotado por 35/31. De regresso “a casa”, no último domingo, 14 de fevereiro, recebeu e bateu os vizinhos do Maia Ismai por 33/22.

Foram 5 jogos em 10 dias, com 3 vitórias e 2 derrotas, com 154 golos marcados e 135 sofridos, tendo percorrido cerca de 7000 km nas diferentes deslocações para os 5 citados jogos! Cansa, só de descrever!  

Como “resumo” deste importante documento da OMS e tendo como um excelente exemplo a equipa de Andebol do FC Porto, diria de forma bem clara e objetiva que TODO O MOVIMENTO CONTA, LOGO MEXAM-SE!

Adriano Tavares (Professor de Educação Física)

Menu