As ambições e desafios do novo presidente do Abambres SC


Mário Costa foi eleito presidente do Abambres Sport Clube, no passado dia 12 de junho, liderando a única lista candidata. José Mourão, ex-presidente, mantém-se na direção.

Mário Costa, enfermeiro de profissão, está ligado ao clube há 34 anos, desde que começou a jogar nos Juvenis. Com passagem pelo CDC Montalegre e também pelo andebol, o atual presidente regressou ao Abambres em 1994 e desde então que considera o clube como a sua “segunda casa” e, por vezes, “a primeira”. Apesar de várias ofertas de clubes de maior dimensão, a escolha acaba por recair sempre na “família Abambres”.

Apesar do atual cargo nunca ter sido uma meta, Mário Costa alegou que “sabia que mais tarde ou mais cedo poderia acontecer”, quer pelas funções desempenhadas no clube ao nível dos cuidados médicos, quer em toda a organização e elaboração de projetos.

Para o mandato que agora inicia, o recém-eleito presidente admitiu querer “manter a estabilidade financeira” e a melhoria do Complexo Desportivo D. Maria de Lurdes do Amaral, com a construção de uma bancada coberta para proporcionar melhores condições aos sócios do clube e a adeptos visitantes, são os principais objetivos. No que concerne à parte desportiva, é importante “manter o nível de 4 estrelas na Certificação da Federação Portuguesa de Futebol”.

A criação de uma equipa de futebol feminino e a melhoria das condições de apoio a todos os escalões são também metas para Mário Costa, que admitiu fazer uma “aposta forte” na formação, primeiramente para treinadores e dirigentes e, posteriormente, para os pais de atletas e a população em geral, com o objetivo de ganharem conhecimento na área dos primeiros socorros. Apesar de não ser um objetivo prioritário, o líder do clube não escondeu o desejo de ver o símbolo do Abambres ligado a outras modalidades para além do futebol.



Pandemia de Covid-19 afetou as receitas do clube

Os novos projetos do clube terão dinâmicas diferentes em projetos que já estavam pensados no mandato anterior. Contudo, não serão feitas grandes mudanças. “Se existisse alguma coisa que eu quisesse mudar já o tinha proposto ao anterior presidente”, disse Mário Costa, referindo ser esse o “maior segredo do crescimento do clube” – a responsabilidade e o envolvimento de todos no sucesso.

Sendo responsável pela área da saúde, Mário Costa afirmou que o Abambres SC foi dos primeiros clubes a cancelar os treinos por causa da pandemia da COVID-19. “A partir do dia 13 de março, os treinos foram cancelados e nos dias seguintes todos os balneários foram exaustivamente limpos e desinfetados”, admitiu.

Quanto às repercussões causadas pela pandemia, o presidente disse que “o clube não está organizado para funcionar sem futebol”, o que originou uma quebra nas receitas.

Os dirigentes do clube viram os investimentos feitos nas equipas serem “nulos” devido à paragem dos campeonatos e consequente cancelamento.

“A preparação de uma nova época poderá sofrer muitas alterações, por exemplo, a quantidade de jovens que vai querer jogar poderá não ser a esperada e há sempre a incerteza do recomeço dos campeonatos”, alegou.

Mário Costa demonstrou, ainda, a preocupação, não só da parte do Abambres, mas de todos os clubes, em cumprir as normas da Direção Geral de Saúde. “Grande parte dos clubes não tem instalações que permitam ter atletas com distanciamento obrigatório, com planos de contingência e de desinfeção. Quem anda no futebol e conhece as diferentes realidades dos clubes certamente vai perceber as dificuldades que aí vêm”, sublinhou.

Por fim, o presidente do clube deixou um agradecimento a todos os que ao longo dos anos têm servido o Abambres e colocou um desafio: “Que todos se façam sócios, o pouco que possam ajudar vai ser certamente muito para as mais de três centenas de atletas que frequentam o D. Maria de Lurdes do Amaral”.

Luís Miguel Gusmão

Reportagem publicada originalmente na edição nº 717, do dia 1 de julho, do Notícias de Vila Real.

Menu