Andebol4All recebe o prémio “Ética no Desporto 2020”

O projeto Andebol4All recebeu na passada semana, aquando da Gala da Confederação de Desporto de Portugal, o prémio “Ética no Desporto 2020”. Este é o nono ano em que a Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto e o Instituto Português do Desporto e Juventude, através do Plano Nacional de Ética no Desporto, atribuem o prémio que distingue, anualmente, personalidades, instituições ou projetos de âmbito desportivo que promovem a ética e os valores no desporto. As minhas felicitações vão naturalmente para a Federação de Andebol de Portugal e nomeadamente para o coordenador do projeto, o professor Joaquim Escada, que para além do trabalho fantástico como presidente da Associação de Andebol de Viseu, abraçou e alavancou este projeto notável e diferenciador do andebol português.

Que o andebol é um desporto inclusivo, já todos há muito sabíamos. É senso comum dizer-se que no andebol, dadas as particularidades de cada posto específico, cabem todos. Os mais altos, os mais baixos, os mais magros, os mais gordos, enfim todos! Desde 2010, com o projeto Andebol4All, esta envolvência ganhou novo sentido e a partir daí duma forma mais organizada, passou a haver quatro variantes dentro deste projeto, a saber: andebol em cadeira de rodas, andebol para deficiência intelectual, andebol para deficiência auditiva e andebol para cidadãos privados de liberdade.

No que respeita ao andebol em cadeira de rodas, foram criadas equipas e quadros competitivos nos quais participam mais de 90 atletas. Regista-se o facto da seleção nacional se ter sagrado campeã europeia em 2018 e vice-campeã em 2019. Quanto ao andebol para a deficiência intelectual, os quadros competitivos foram criados em parceria com a Associação Nacional de Desporto para Desenvolvimento Intelectual (ANDDI), em 2012, e contam com a participação de 34 clubes e mais de quatrocentos atletas. A seleção nacional masculina sagrou-se campeã europeia por três vezes consecutivas. Já o andebol para a deficiência auditiva ainda está numa fase inicial, sendo que a ideia será arrancar em breve, junto da rede escolar em parceria com o Desporto Escolar. É intenção promover o andebol junto desta população, nas escolas de referência do ensino bilingue para surdos. Por último, o andebol para cidadãos privados de liberdade é uma realidade desde 2011, realiza-se em diversos estabelecimentos prisionais e centros educativos para jovens, promovendo a prática do andebol junto da população reclusa. Este subprojecto contempla cerca de 350 praticantes, 20 monitores/treinadores e oito duplas de arbitragem.

Andebol Formal de Alta Competição

Depois de na semana passada, na Liga Europeia, o Sporting CP ter recebido os Polacos do Wisla Plock, perdendo por 25/29, hoje jogará cartada decisiva, tendo a difícil tarefa de devolver a derrota caseira. Na liga dos campeões, o FC Porto recebe os dinamarqueses do Aalborg na próxima quinta-feira, dia 1 de abril, deslocando-se a casa destes, 6 dias depois. Aqui, estou convencido que o FC Porto tudo fará para seguir em frente, continuando a fazer história. 

Também será na manhã da próxima quinta-feira, 1 de abril que se conhecerá o sorteio dos jogos olímpicos para a estreia olímpica da seleção nacional. A escolha não é muita, senão vejamos. Do pote 1 teremos pela frente ou Dinamarca ou Noruega. Se pudesse escolher, escolheria a Noruega para que à terceira fosse de vez, depois de termos perdido 34/28 no Europeu de 2020 e 29/28 no Mundial deste ano, no Japão chegaríamos à vitória. No pote 2 temos dois “velhos conhecidos”, a França e a Suécia e, ambas temem Portugal, pois não se têm dado bem connosco nos últimos tempos! Portugal está no pote 3 e a única certeza que temos é que não defrontaremos na primeira fase a Alemanha, pois essa divide o pote connosco. Do pote 4 sairá o país organizador Japão, que surpreendeu no Mundial e o Brasil. Aqui, depois de todos os potes sorteados, os anfitriões escolhem o seu grupo, ficando para os Brasileiros o outro grupo. Por esta ordem de ideias, pode-se concluir que seria bom, segundo a análise dos nipónicos, ficar no grupo do Japão. No pote 5, mais duas equipas muito fortes, a vizinha e muito experiente Espanha e o Egito, que obrigou a campeã do mundo Dinamarca a 2 prolongamentos e livres de 7 metros para passar às meias finais, no mundial organizado pelos faraós. Por último, no pote 6 teremos a Argentina, que também surpreendeu no último mundial e o Bahrein. Certo, isso sim, será a ambição dos nossos heróis do mar, que sem receio e muito querer de continuar a fazer história, já colocaram a fasquia alta ao ponto de falarem de medalhas. E sim, por tudo EU ACREDITO. 

Adriano Tavares (Presidente Associação de Andebol de Vila Real)

Menu