Andebol Feminino Português “à porta” da Elite

A seleção nacional de andebol de seniores femininos, jogou frente à forte seleção da Alemanha o play-off para o campeonato do mundo, que de 1 a 19 de dezembro do presente se vai disputar em Espanha. No jogo da primeira mão, no pavilhão do Luso no passado sábado, a seleção nacional acabou por perder por 32/27. O início do jogo foi equilibrado, mas com o comando do marcador entregue as germânicas desde o início. Com o avançar do jogo, a diferença foi-se avolumando, chegando as alemãs a vencer ao intervalo por 17/10. O início da segunda parte não se revelou melhor, pois rapidamente as forasteiras chegaram aos 10 golos de vantagem (21/11). A partir daí, Portugal passou a ter maior acerto ofensivo, arriscando quase sempre o 7 contra 6, chegando a encurtar a diferença a 4 golos, sofrendo o derradeiro golo no último segundo, fixando o resultado final em 32/27. Os 5 golos de diferença deixam um sabor amargo, pois pela reação portuguesa, esteve ao alcance um resultado mais nivelado.   

Para a segunda mão, jogada no dia de hoje na Alemanha, aconteceu uma entrada nervosa da equipa portuguesa, embora com um bom ímpeto defensivo, conseguindo manter o resultado equilibrado até aos 6 golos. Aí com a nossa guarda-redes, Isabel Gois, em evidência, acabamos por passar para a frente a meio da primeira parte, vencendo por 8/6. A partir daí a inconstância voltou e passou-se do 6/8, para um 10/8 favorável à equipa da casa. Seguiram-se diversas vantagens de 3 golos aos 12/9, 13/10 e 14/11. Constantemente a apostar no 7 contra 6 ofensivo, onde alguns erros ofensivos “infantis”, comprometiam uma aproximação às germânicas, ao ponto do experimentadíssimo comentador, professor Fernando Pais, usar a expressão “nem no inter-turmas se pode fazer um passe destes”. Ao intervalo venciam as da casa por 15/11. Na segunda parte naturalmente que Portugal teria que arriscar, para acalentar hipóteses de vencer o jogo e quiçá, pensar na possibilidade de virar a eliminatória. Chegou a ficar a 2 golos, mas rapidamente os erros ofensivos proibitivos do 7 contra 6 voltaram e o avolumar da diferença no marcador, retiraram discernimento às portuguesas para lutarem por um resultado melhor, avolumando-se este para o mais desequilibrado de todo o play-off, 34/23.

Como balanço, diria que houve justiça neste play-off e Portugal não conseguiu surpreender as mais experimentadas jogadoras alemãs, que acabaram por vencer naturalmente. Registe-se que, a espaços, Portugal equilibrou e foi mesmo superior, mas curto ainda para lutar, contra equipas desta valia, por outros voos. Acredito, no entanto, que a breve prazo a nossa seleção feminina vai conseguir dar o salto das qualificações para as fases finais e acontecendo isso, será “mais fácil” mantermo-nos nesse patamar do que entrar nele.

Adriano Tavares (Presidente Associação de Andebol de Vila Real)

Menu