Ana Madureira: Campeã Nacional de Karate fala do futuro

A vila-realense Ana Madureira, tricampeã nacional de séniores, falou sobre o momento da modalidade, os Jogos Olímpicos e a Academia de Karaté de Vila Real.

Na ressaca do seu tricampeonato, conquistado no passado dia 19 de janeiro, Ana admite estar maravilhada com a mais recente conquista, “é o reconhecimento de um trabalho feito não só por mim, mas também pelo meu treinador e por todas as pessoas que me acompanham”. Perspetivando o seu futuro, a atleta pretende continuar a investir na sua carreira internacional e melhorar a posição no ranking.

Ana Madureira, licenciada em Educação Física, tem, também, o curso de treinadora de nível um pela Federação, podendo acompanhar as crianças e lecionar. Atualmente, para além de competir a nível nacional e internacional, também dá aulas a crianças dos três aos cinco anos. Segundo a mesma, concilia as duas coisas de uma maneira muito fácil, pois faz aquilo de que gosta, “pegar naquilo que eu sei e aprendi na universidade, e aplicar neles é fabuloso”, adiantou.

Tendo em conta que, neste momento, acompanha os jovens, a tricampeã não tem dúvidas no que diz respeito ao futuro dos mesmos, afirmando que “há muitas crianças que treinam comigo, que são campeãs nacionais. Algumas já pertencem à seleção nacional e apresentam um percurso de bastante relevo como atletas”, disse, realçando que tem “uma academia muito rica, muito jovem e com atletas muito bons”.

Em termos competitivos, Ana estará presente na Liga Olímpica, em Portugal, competição que lhe é familiar, visto que a venceu em anos anteriores. Neste momento, a atleta segue em terceiro lugar na liga, mas em caso de vitória tudo se irá alterar. A nível internacional, a sua próxima deslocação será à Turquia.

Em relação a este tema, o treinador e diretor da escola de Karate, Paulo Azevedo concordou com o facto de haver falta de apoios. O treinador destacou o facto de a federação ter a obrigação de “trabalhar para que esta modalidade seja vista no mesmo patamar que as outras ou até melhor, no que diz respeito a variantes de luta”.

Já Ana Madureira afirmou não ter ajudas, isto “porque não há critérios, tanto da federação como do COP”. Para além disso, destacou o facto de, só no primeiro ano dos três em que foi campeã, ter sido chamada pelo selecionador nacional, e seguindo o exemplo do ano passado, este ano, prevê que aconteça o mesmo. Ambos concordaram que este apoio tem de se manifestar agora, por causa da presença nos Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, e que, se houver trabalho e as instituições desempenharem o seu papel, a modalidade tem um grande futuro pela frente.

Aproveitando o assunto dos Jogos Olímpicos, o treinador e diretor da Akademia de Karaté, espera que a modalidade se mantenha na competição e que “seja modalidade olímpica oficial”. Contudo, estando por dentro do assunto, acha “muito difícil um atleta português marcar presença em Tóquio”.

Perspetivas e objetivos para a Academia

Paulo Azevedo, sendo o diretor da Akademia de Karaté de Vila Real, assumiu este tópico da conversa. No geral, o seu plano é manter tudo como está, isto porque, segundo ele, estão “ a trabalhar muito bem, têm tido resultados e estão no topo nacional”, contudo, admite que num contexto internacional podem fazer melhor.

No que diz respeito à relação com as crianças e à confiança depositada pelos pais, o diretor afirma sentir-se orgulhoso pelos valores que incute e pelo bom ambiente vivido entre todos. “Ajudamos os pais na formação das crianças e não há satisfação maior, o objetivo está traçado e é um orgulho acompanhá-las e fazer parte das suas vidas”, concluiu.

A Academia, no último mês, marcou presença em Veneza, numa Youth League e, recentemente, em Paris, num Open. As próximas competições dos mais novos, com o intuito de amealhar pontos para o ranking mundial, serão na Croácia e no Chipre.

Texto: Afonso Leite / Flávio Fernandes

Publicado originalmente na edição nº 653 do Notícias de Vila Real

Menu