Ténis: III Open Antigos Alunos

0
792

“Suspeitos do costume” (Henrique Vaz e Amadeu Fernandes) implicados em nova dobradinha para a Secção de Ténis da AAUTAD

Em plena Semana Europeia do Desporto (7 a 13 de Setembro), uma iniciativa da União Europeia destinada a promover e sensibilizar os cidadãos europeus para os benefícios da prática da actividade física, a Secção de Ténis da AAUTAD organizou mais um Open Antigos Alunos AAUTAD, evento que contemplou os quadros de singulares e pares. Integrada anteriormente no calendário oficial de provas da Federação Portuguesa de Ténis, desta feita, e na verdadeira acepção da palavra Open, a competição teve a particularidade de ser aberta a toda a academia transmontana e comunidade vila-realense em geral.

Na verdade, um dos valores da Secção de Ténis da AAUTAD e dos seus consequentes torneios, além do competitivo, é proporcionar actividade física aos estudantes da UTAD e à “Bila”. Por coincidência, esta Semana Europeia do Desporto pretendeu, também, aumentar a taxa de cidadãos informados e mais sensíveis para os factores que podem proporcionar estilos de vida mais saudáveis, combatendo os conhecidos e nefastos comportamentos sedentários.

Regressando ao essencial, isto é, aos rectângulos de jogo (23,77m de comprimento por 10,97m de largura), no caso, os gentilmente cedidos courts do CTVR, estes foram palco de animados encontros.

O dia começou com aguaceiros, mas sob o “beneplácito de S. Pedro”, os courts que inicialmente se encontravam um pouco escorregadios rapidamente foram secando, o que proporcionou uma competitiva jornada tenística, em especial no confronto de duplas. No entanto, as previsões do IPMA foram mesmo certeiras! Dir-se-ia…” Já cheira a Outono!”.

Apesar do Sol, por vezes bem quente, as nuvens negras nunca abandonaram totalmente os campos e foi com boa vontade dos tenistas envolvidos que se concluíram os diversos jogos, praticamente em registo non-stop! E, de facto, a chuva acabou por surgir no Domingo! Nos singulares, rapidamente se passou do processo de selecção para a fase de definição e, na final, os dois tenistas em confronto foram, de facto, os que melhores argumentos apresentavam.

Em liça estiveram os dois primeiros cabeças-de-série do quadro; a saber: Henrique Vaz (AAUTAD) e Guilherme Saraiva (AAUTAD). Iniciada a contenda, Guilherme Saraiva impôs a sua potente direita e com uma série de winners chegou mesmo a liderar por 3-0. Nesta fase, Henrique Vaz, conhecendo bem o estilo de jogo de Saraiva, conseguiu anular as intenções do colega de equipa: não se deixou entusiasmar com pontos rápidos, baixou o ritmo de jogo quando necessário e terminou pontos importantes nas imediações da rede, fechando o primeiro parcial por 6/4.

No segundo set, Saraiva revelou-se (demasiado?) queixoso de Éolo, “Senhor dos Ventos” e, face ao discernimento táctico e fluidez de pancadas do seu oponente, a diferente “matéria-prima” de Henrique Vaz afirmou-se claramente neste parcelar. Isto é, 6/1. No fundo, o titulado atleta da AAUTAD é um modelo que foge à chamada “linha de montagem” tradicional e, por isso, possui uma técnica e elegância… diferente! Enquanto estiver bem fisicamente – e aqui é o busílis da questão – Vaz pode continuar a somar vitórias.

Na variante de pares, muito apreciada e treinada entre os tenistas do CTVR, as duas primeiras duplas designadas da grelha (na foto) alcançaram o seu objectivo. A final!

Neste derradeiro encontro, os “stores” da academia transmontana, Amadeu Fernandes e Henrique Vaz, tiveram como tenazes opositores a experiente e entrosada parceria do CTVR, Paulo Padilha / Albano Ledo, e a contenda foi equilibrada, apesar de uns erros pouco habituais. Em abono da verdade, foi de ambos os lados da rede! Do lado da AAUTAD, Amadeu Fernandes resgatou progressivamente as sensações do serviço (levantou um pouco mais o cotovelo, o que lhe permitiu apanhar a bola bem em cima, gerando mais potência) e o seu slice de esquerda tornou-se mais incisivo. Henrique Vaz revelou-se um fiel adepto da máxima “Pontos curtos fazem longas carreiras.” Quer dizer, muitos winners saíram da sua austríaca Head Prestige Mid.

Do lado valoroso do CTVR, Paulo Padilha apresentou como cartão-de-visita o seu potente serviço e revelou, mais uma vez, o seu “toque de bola” em volleys acutilantes. Albano Ledo “alvejava” os corredores com conclusiva eficácia. Resumidamente, foi um encontro “às três pancadas”! Mas não no sentido pejorativo da expressão!

Essencialmente, pontos rápidos, pontos curtos! Uma final competitiva, bem disputada e tenísticamente recompensadora para a equipa da AAUTAD. Um triunfo sem reticências por duplo 6/3. Com uma distribuição inicial de t-shirts aos diversos atletas presentes e de brindes da Liberty Seguros, este evento desportivo encerrou com a cerimónia de entrega dos troféus – gentileza da Câmara Municipal de Vila Real – e o habitual momento “Kodak” para a posteridade!

AF

Deixar comentário

Comentário