Especial Rui Sampaio: da experiência em Itália, ao regresso a Portugal

0
100

Rui Sampaio, atleta de Vila Pouca de Aguiar que é reforço da turma do Arouca, orientada por Pedro Emanuel, regressou a Portugal após uma experiência em Itália, ao Serviço do Cagliari. O aguiarense que passou os melhores momentos da carreira no Beira-Mar, sob o comando de Leonardo Jardim, agora técnico do Sporting, espera regressar ao melhor da sua forma, ele que foi considerado, em tempos, por Luís Freitas Lobo, um dos melhores médios a atuar na Liga Portuguesa.

Discípulo de Jardim em Arouca

O médio, recentemente contratado pelo Arouca, passou duas épocas sob o comando do madeirense, no Beira-mar, entre 2009 e 2011. Subiu de Divisão, foi totalista no campeonato, e o bom trabalho valeu-lhe, pouco depois, a transferência para Itália.

À época, o atual treinador dos leões (que também orientou o GD Chaves) seria contratado para comanndar o Sporting de Braga. Era evidente a vontade de Leonardo Jardim em contratar o médio, contudo, a cláusula de rescisão fixada em um milha de euros, afastou os bracarenses do atleta transmontano.

Em declarações ao Mais Futebol, Rui Sampaio recorda os tempos de glória em Portugal. “Foram, sem dúvida, anos muito bons no Beira Mar. Subimos à I Liga e, na temporada seguinte, fiz os 30 jogos.” Sobre Leonardo Jardim, o aguiarense é pragmático: “Sou muito sincero, todos os técnicos me marcaram de alguma forma, tenho tido a sorte nesse aspeto. Mas claro que se trata de uma pessoa muito competente, que me ajudou muito”.

De Vila Pouca de Aguiar para o mundo

Rui Sampaio é natural de Vila Pouca de Aguiar, uma terra que lhe está no coração. “As curvas para chegar aqui não são problema. Já conhecia Arouca, de vir cá jogar, e faz-me lembrar um pouco o sítio onde nasci”, respondeu o médio arouquense.

O médio tinha como prioridade o regresso a Portugal, após a experiência em Itália. O convite do Arouca surge na melhor altura. “Apareceu esta proposta, de um clube sério, com um projeto muito interessante, e que tem vindo a dar frutos. Estou feliz”, declarou em entrevista ao Mais Futebol.

Rui Sampaio espera, agora, recuperar o tempo perdido, já que estava a trabalhar na equipa B do Cagliari antes de rescindir. Apesar de tudo, da experiência no Cagliari, só tem coisas boas a recordar: “Não era meu objetivo emigrar. Estava com a cabeça no Beira-mar, apareceu a proposta, fiquei curioso, e decidi experimentar”. No primeiro ano ainda jogou e correspondeu, segundo ele, às expetativas da equipa italiana que milita na Série A. Todavia, contraiu uma grave lesão, que custou oito meses de recuperação. Um longo período que o afastou, praticamente, toda a época dos relvados. Depois, surgiu o empréstimo ao Olhanense e o regresso à competição.

Do Cagliari recorda, por fim, a cultura, a língua e as referências do futebol. “Cagliari é um sítio muito bom para viver, as pessoas foram magníficas, foi outra cultura, outra língua, uma ótima aprendizagem (…) Apreendi muita coisa junto de jogadores que passaram por grandes clubes. “O Astori, internacional que veio do Milan, o Conti, que tem mais de 300 jogos na Série A, o Radja, internacional belga, que foi agora para a Roma, para não falar do Pinilla, que passou pelo Sporting”, enumerou.

Do Calcio para Aveiro, Rui Sampaio espera, agora, que consiga marcar, de novo, o plano futebolístico nacional.

Deixar comentário

Comentário