José Costa Pereira: “O meu trabalho na AFVR ainda não está terminado”

6
263

Eleições para a Associação de Futebol de Vila Real (Candidato lista A)

José Costa Pereira, em entrevista ao Desportivo Transmontano, apresentou os motivos e propostas da sua recandidatura aos órgãos sociais da Associação de Futebol de Vila Real (AFVR), apostando na continuidade. O candidato lidera a Lista A.

Costa_PereiraO candidato da lista A, afirmou que após uma reflexão e análise daquilo que tem vindo a efectuar na AFVR, chegou à conclusão que o trabalho ainda não está terminado. Como tal, apresenta-se ao acto eleitoral com a convicção de que a experiência no desempenho das funções e o apoio que recebeu dos clubes foram aspectos que possibilitaram esta recandidatura.

“A nossa lista compreendeu e avaliou a organização na qual estamos inseridos, e concluímos que ainda temos um trabalho a efectuar na Associação de Futebol. Queremos demonstrar que a experiência ainda continua a ser uma mais-valia. O apoio que recebemos de vários clubes fez-nos avançar para este acto eleitoral, com a convicção de que é necessário continuar a desenvolver um política desportiva progressista no futebol e futsal distrital”, referiu.

 

Rigor e Credibilidade

Sobre as propostas e os principais projectos que tem para AFVR, Costa Pereira salientou que a lista encabeçada por si “tem quatros vectores que são fundamentais para um desenvolvimento desportivo da região”, na qual se destacam “o rigor, a credibilidade, a solidariedade e a afirmação”.

“O rigor económico tem sido uma base do manual de trabalho destes anos na qual tenho presidido a AFVR. Sabemos também que o futebol está caro e se quisermos manter a dinâmica da AFVR, temos de efectuar uma redução de custos que possam vir a diminuir a carga económica dos clubes nossos filiados. Vamos continuar a desenvolver uma acção séria na afirmação da Associação de Futebol em termos nacionais, onde de facto temos sido um bom exemplo de como captar eventos desportivos para a região. Vamos manter-nos neste registo e porque somos uma voz ouvida na Federação Portuguesa de Futebol (FPF), iremos continuar a lutar para que esta diante do poder político instituído publique o mais rapidamente possível o Estatuto de Dirigente Desportivo Amador”.

“Este estatuto tem por finalidade o reconhecimento do trabalho dos dirigentes e também é um meio de captar novos dirigentes para o desporto distrital. Vamos continuar a sensibilizar os municípios que são parceiros económicos importantes no futebol das equipas da Associação para que as infra-estruturas desportivas possam ser melhoradas e requalificar as já existentes. Voltaremos de novo a apostar nos cursos de treinadores de futebol, onde queremos trazer mais gente para o desporto, sabendo que a qualificação é um aspecto necessário. Em colaboração com os clubes, realizar algumas alterações nos regulamentos dos nossos campeonatos distritais. Vamos tentar, em conjunto com todos os emblemas da AFVR, no início da próxima temporada, organizar um debate para aumentarmos a nossa competitividade em determinados campeonatos. Queremos continuar a desenvolver um trabalho de base no sector da arbitragem, para termos junto de nós melhores árbitros, e vamos procurar também desenvolver campanhas pedagógicas de promoção do fair-play, onde queremos que na AFVR o espectáculo desportivo seja mais apaixonante”, referiu.

AFVR-2

Menos clubes inscritos

Sobre a questão do afastamento e abandono de alguns clubes do futebol sénior da AFVR, Costa Pereira mencionou que é um factor com que todas as associações a nível nacional se têm debatido.

“Face à conjuntura económica que o nosso país atravessa, é um evidente que todas as associações a nível nacional se tem queixado do mesmo, que de facto tem existido um abandono de clubes referente ao futebol sénior. Actualmente, neste capítulo, temos dezassete clubes de futebol na AFVR, sendo que se encontram catorze na Divisão de Honra, dois no Campeonato Nacional de Seniores e um na Segunda Liga Portuguesa. Temos, por isso, de realizar uma reflexão profunda sobre este abandono de clubes, e em conjunto com todos os emblemas do distrito promover iniciativas para capitalizar mais clubes para o futebol da AFVR, dando-lhes condições para competir. Sabemos que é um caminho difícil, mas nós propomo-nos a fazê-lo. A lista que eu encabeço é aquela que neste momento está em melhores condições de defender os interesses e direitos da AFVR, bem como dos seus filiados”, destacou.

Por fim, o candidato da lista A parte para o acto eleitoral do dia 27 de Fevereiro (sexta-feira) com o objectivo da vitória, sabendo que “o trabalho realizado anteriormente foi positivo e que os clubes sabem reconhecer isso”.

 

Concorrência é benéfica

Por outro lado, também enaltece o aparecimento de outra lista para ir a sufrágio, o que, no seu entender, realça o papel preponderante que Associação tem efectuado na promoção do desporto distrital.

“Parto efectivamente para este acto eleitoral com o objectivo de ganhar. Reconhecendo que o trabalho desenvolvido anteriormente foi positivo. Fico satisfeito com o aparecimento de outra lista porque isso de alguma forma também está a dinamizar o futebol distrital, e naturalmente faz com que a AFVR seja debatida num bom sentido em todas as mesas dos seus associados. É com satisfação que tenho observado todo este processo eleitoral onde se tem discutido ideias e sugestões em prol do futebol e futsal do nosso distrito. Mas, entendo que quem pode servir melhor os clubes da AFVR é nomeadamente a minha lista, aquela que eu lidero. A última palavra é naturalmente dos clubes e eles, melhor do que ninguém, vão escolher os seus representantes. Apenas reafirmo que os clubes nos conhecem, sabem das nossas capacidades, somos dialogantes e connosco a porta da AFVR está sempre aberta para eles. Somos e sempre seremos os defensores de todos os clubes, quer no âmbito territorial e nacional. Melhor do que ninguém conhecemos a realidade na qual estamos inseridos. Ao votarem em nós, os clubes da AFVR podem ver os seus interesses salvaguardados, porque somos pessoas que promovem o diálogo e que garantem o melhor para as colectividades do distrito”, finalizou.

Luís Miguel Roçadas

Deixar comentário

Comentário

6 Comentários

  1. esta associação merece outros presidentes, um esta acomodado , incapaz de mudar algo, vê se pelos taxos que as pessoas ocupam, outros ocupam por amizade, interesses etccc, vocês sabem…..a nova lista, é fraca e como cabeça de cartaz tem o seu presidente, nao fez trabalho vistoso em lado nenhum, apenas quer um poleiro…..

  2. o costa pereira o teu trabalho ainda nao esta terminado, mas ate aqui é um trabalho muito ,mas muito fraco, esta a beira do abismo, e com o tempo as pessoas do desporto vao me dar razao, o tozé para mim nao é soluçao, como treinador por onde passou foi fraco, como observador é igual a zero e como nao vingou quer agora o dirigismo, penso que nao é boa soluçao porque nao tem competencias nem capacidade,,,é fraco, incapaz de ser a pessoa certa para um lugar que merece de facto alguem com capacidade, alguem que defenda os clubes e que olhe para os interresses dos clubes. o que nao acontece…..

  3. Meus amigos, a alternativa que é apresentada é credivel?

    Tenham paciencia.
    Como dizia o outro o Tiririca também não acrescenta nada
    Depois vejam os outros elementos da lista, alguém os conhece do futebol?

  4. Pegando no titulo….O teu trabalho so termina quando deixarem de haver clubes na Associação? é que eles vao desaparecendo ano após ano……

  5. Bom, o Presi_mente do Benfica, “escreveu” recentemente o livro “Missão Benfica”, e naturalmente ainda não terminou a missão, criar as “fundações” do Alverca FC II.

    De igual forma, o Presi_mente da AFVR, também ainda nao terminou a sua missão, justamente exterminar ou extinguir o Futebol no Distrito de Vila Real, mas já não falta muito!

    Deixem o homem obrar!

    (obrar):
    (latim operor, -ari, ocupar-se em, trabalhar, levar a efeito, exercer, praticar, pôr em obra ou executar/realizar)

    P.S. A língua Portuguesa sempre foi e será, muito traiçoeira, apenas um mero verbo transitivo e intransitivo, e ficaram “confucios”!

  6. Força Presidente. Para liderar esta casa é preciso ter a carta de pesados e nao é para meninos.
    A teoria é muito bonita mas na pratica… Para alem de que é preciso vermos o resto da equipa. Fraquinhos, fraquinhos, fraquinhos…

Comments are closed.