Andreia Faria: “dificuldades não assustam”

É inegável o sentido de responsabilidade que demonstra, assim como o respeito pelos adversários deste apuramento, mas a médio acredita piamente nas qualidades lusas. Foi de forma calma e assertiva que Andreia Faria, em entrevista ao site da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), fez a antevisão aos jogos do primeiro torneio de apuramento para o Campeonato da Europa Bielorrússia 2016, que arranca a 23 de outubro.

Diante da campeã em título e de outras seleções com tradição europeia, acredita que o medo não será um obstáculo extra, se as jogadoras acreditarem nas suas capacidades?

Vamos jogar contra a Campeã Europeia (Espanha) e com outras duas seleções muito fortes, mas isso não nos assusta. Temos presente que o nosso objetivo é passar à próxima fase de qualificação e para isso teremos de jogar como sabemos e de acordo com os ensinamentos que nos têm transmitido. Nós respeitamos os adversários, mas eles também têm de nos respeitar, têm de ser preocupar connosco.

Depois de um início de época com dois jogos de preparação diante da Bulgária, considera que a equipa está apta para o grande desafio do apuramento?

Vamos jogar contra a Grécia, país vizinho da Bulgária, por isso creio que foi uma boa escolha para arranque de época. Apesar de o segundo jogo ter terminado com um bom resultado (vitória por 6-0), encontrámos dificuldades distintas em cada um dos jogos e pudemos ver um tipo de jogo diferente daquele a que estamos habituadas. Foi também importante por ter dado oportunidade a algumas jogadoras novas, que ainda não tinham representado Portugal e, caso o fizessem agora, durante o apuramento, sentiriam uma pressão e uma carga emocional superiores.

Ciente da média de idades baixa neste grupo, Andreia pensa que a falta de experiência das jogadoras é facilmente suplantada pela dos treinadores?

A equipa técnica tem muito conhecimento e conseguem transmitir-nos os melhores ensinamentos. Acredito que, com a ajuda deles e se não nos deixarmos intimidar pelos adversários, conseguiremos ultrapassar as nossas dificuldades. O nosso grupo, apesar de jovem, tem muita ambição e tem uma cultura da Seleção Nacional já muito enraizada. Todas as jogadoras sabem que a superação não é uma escolha, é o nosso caminho!

Deixar comentário

Comentário